Greenhalgh: Delúbio não vai assumir mensalão

Referência do PT na área jurídica, o advogado e ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh postou, no Twitter, mensagem em que nega que o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares, assumirá responsabilide pelo mensalão, abrindo espaço para a absolvição de José Dirceu; no que dependesse dele, haveria uniformidade no discurso dos réus

Greenhalgh: Delúbio não vai assumir mensalão
Greenhalgh: Delúbio não vai assumir mensalão (Foto: Edição/247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O advogado e ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh é uma das referências do PT na área jurídica. Ex-defensor de presos políticos na ditadura, ele teve a chance de ser ministro da Justiça no primero governo Lula, mas preferiu disputar a presidência da Câmara dos Deputados. O que ele fala, portanto, tem peso no PT.

Nesta terça-feira, no Greenhalgh postou no Twitter uma mensagem relevante. Disse que o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares, não assumirá sozinho a responsabilidade pelo mensalão, abrindo caminho para a absolvição de outros réus, como José Dirceu e José Genoíno – o que foi manchete do Estado de S. Paulo na última segunda-feira. “Não procedem as notícias de que ele assumiria culpas que não existem”.

A interlocutores próximos, Greenhalgh tem demonstrado desconforto com os desencontros nas teses apresentadas pelas defesas de cada um dos réus. São todas independentes, na linha do “salve-se quem puder”. Dirceu, por exemplo, diz que não tinha responsabilidade por assuntos do PT, porque estava na Casa Civil. José Genoíno, embora presidente do PT, afirma que não era responsável pelos empréstimos – tarefa do tesoureiro, Delúbio Soares.

Este filme já foi visto na ditadura, quando versão desencontradas de presos políticos permitia que, no fim, todos terminassem mal. Se dependesse de Greenhalgh, haveria uniformidade no discurso de todos os réus.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247