Greve da PM prejudicou venda de abadás em Salvador

Empresrios da folia apontam queda na comercializao de abads para blocos e camarotes, na comparao com 2011; mais prejudicados teriam sido os produtos mais procurados por quem no baiano

Greve da PM prejudicou venda de abadás em Salvador
Greve da PM prejudicou venda de abadás em Salvador (Foto: LUCIANO DA MATA/AGÊNCIA ESTADO)

Contradizendo o governo da Bahia, que afirma que o fluxo de turistas do carnaval de Salvador não foi afetado pela greve que a Polícia Militar promoveu dias antes da festa, os empresários da folia apontam queda na comercialização de abadás para blocos e camarotes, na comparação com 2011 - os mais prejudicados teriam sido os produtos mais procurados por quem não é baiano.

"Os baianos foram para o carnaval, foram eles que sustentaram a festa", diz o empresário Fred Boat, sócio de dois badalados camarotes da folia, um mais voltado para turistas e outro para o público baiano. No primeiro, as vendas foram 25% menores do que a expectativa. No segundo, a estimativa inicial foi alcançada.

"Os principais prejudicados foram os que dependiam dos turistas, em especial os que ofereciam produtos mais luxuosos, com sistema all-inclusive (comidas e bebidas incluídas no valor do ingresso)", avalia Boat.

De acordo com os empresários do setor, a situação foi a mesma nos blocos de trio. Os com foco no público de Salvador, como os de samba e os puxados por bandas do chamado pagode baiano - grupos como Harmonia do Samba, Psirico e Parangolé -, foram os que mais tiveram sucesso comercial no evento, além dos que têm público cativo, como o Camaleão, comandado pelo Chiclete com Banana, e o Eva.

Entre os outros, a queda nas vendas chegou a 40%, segundo a Associação de Blocos de Trio. "O principal problema foi que a greve da PM aconteceu nos dias em que a maior parte dos turistas costuma fechar os pacotes", diz o presidente da associação, Fernando Boulhosa.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247