Guedes sobre o pré-sal: 'daqui a três, quatro meses, vamos vender'

"Eu os convido para essa nova parceria. (...) Vocês podem ir lá ajudar a financiar nossas rodovias, ir atrás de concessões de petróleo e gás. Daqui a três, quatro meses, vamos vender o pré-sal", afirmou o ministro Paulo Guedes durante evento na Câmara de Comércio dos EUA, em Washington, nesta segunda-feira (18); Guedes disse ainda que o presidente Jair Bolsonaro é "um rapaz com colhões" para fazer a reforma da Previdência

Guedes sobre o pré-sal: 'daqui a três, quatro meses, vamos vender'
Guedes sobre o pré-sal: 'daqui a três, quatro meses, vamos vender' (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Discursando para um grupo de investidores americanos na Câmara de Comércio dos EUA, nesta segunda-feira (18), o ministro da Economia, Paulo Guedes, ofertou a preço de banana uma das maiores riquezas naturais do Brasil: o pré-sal.

"Eu os convido para essa nova parceria. (...) Vocês podem ir lá ajudar a financiar nossas rodovias, ir atrás de concessões de petróleo e gás. Daqui a três, quatro meses, vamos vender o pré-sal", afirmou Guedes sem nenhuma cerimônia.

Em seu discurso, apresentou o presidente Jair Bolsonaro como "um rapaz com colhões" para fazer a reforma da Previdência.

Antes, Guedes esteve com Wilbur Ross (Departamento de Comércio) e Robert Lighthizer (USTR). No encontro ele disse que foi questionado  pelos norte-americanos se não era loucura falar em abertura comercial no meio das tensões Estados Unidos-China. "A resposta? O Brasil esteve dormindo por décadas e quer liberalizar sua economia". 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247