Gurgel: limitar investigações do MP é 'loucura' e 'insanidade'

Autoridade máxima do Ministério Público criticou a proposta de emenda constitucional em tramitação no Congresso que concentra a atividade investigatória nas polícias civil e federal; para ele, a medida aumenta a impunidade 

Gurgel: limitar investigações do MP é 'loucura' e 'insanidade'
Gurgel: limitar investigações do MP é 'loucura' e 'insanidade'
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, autoridade máxima do Ministério Público, criticou a proposta de emenda constitucional em tramitação no Congresso que concentra a atividade investigatória nas polícias civil e federal:

" O que é fundamental na PEC 37 é que vai na contramão de qualquer bom senso, de qualquer coisa que se pode chamar de razoável. Num país em que a impunidade é imensa, a corrupção grassa por todos os lados, querer concentrar o poder investigatório em uma instituição [polícia], não há outra palavra, é uma loucura, uma insanidade".

Uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou em novembro do ano passado a PEC 37. Pelo texto, o MP não poderá mais executar diligências e investigações, apenas solicitar ações no curso do inquérito policial e supervisionar a atuação da polícia.

"Estou absolutamente convencido que esse é um caso em que o Ministério Público é ameaçado não por seus vícios, não por seus defeitos ou falhas, mas por suas virtudes", disse Gurgel.

Segundo o procurador, a PEC "mutila" a instituição e "incapacita a sociedade brasileira de um enfrentamento mais adequado à corrupção".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247