IBGE reduz questionário e prevê corte de 26% de verbas do Censo 2020

Além de 26% da verba do Censo de 2020, o IBGE vai reduzir também o número de perguntas do questionário que de 112 vai para 76; segundo a presidente do órgão, Susana Cordeiro, o Censo de 2020 sofrerá uma redução no orçamento de R$ 3,1 bilhões para uma expectativa próxima de R$ 2,3 bilhões  

IBGE reduz questionário e prevê corte de 26% de verbas do Censo 2020
IBGE reduz questionário e prevê corte de 26% de verbas do Censo 2020
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A tesoura de cortes do governo do presidente Jair Bolsonaro atingiu o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que vai reduzir de 112 para 76 perguntas  no questionário e cortar 26% da verba do Censo de 2020.

A pesquisa é realizada a cada dez anos e tem abrangência nacional. Os pesquisadores do IBGE visitam os domicílios pelo país para obter dados sobre as características dos moradores, nível de estudo, trabalho, entre outras informações. A última edição do Censo foi em 2010.

A medida foi criticada por pesquisadores e servidores do próprio órgão, que temem que as mudanças afetem a qualidade do resultado da pesquisa.

Na pesquisa do próximo ano o questionário básico terá 25 perguntas. Em 2010 foram 34 questões. Já o formulário de amostra terá 76 questões, 34 perguntas menos do que o censo 2010.

Durante coletiva de imprensa, a presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, confirmou que o Censo sofrerá uma redução no orçamento previsto para 2020, de R$ 3,1 bilhões para uma expectativa próxima de R$ 2,3 bilhões.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247