Boaventura: "Depois de derrubarem a presidente mais honesta que o Brasil já teve, é vergonhoso manter Bolsonaro no poder"

O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos ressaltou que “Jair Bolsonaro já sinalizou que não irá aceitar perder as próximas eleições” e que "precisa sofrer um processo de impeachment imediatamente”. Assista sua participação na TV 247

O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos
O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos participou do programa Bom Dia 247 deste sábado (9) e defendeu que, "depois de derrubarem a presidente mais honesta que o Brasil já teve, que foi a Dilma, é uma vergonha o Brasil manter Bolsonaro no poder".

Ao analisar o ato de invasão de apoiadores de Trump no Capitólio e Congresso na última quarta-feira, o sociólogo alertou que ações semelhantes  podem ocorrer no Brasil. “Por isso é necessária uma força-tarefa das forças democráticas, do centrão também, impedindo a qualquer custo que Bolsonaro se candidate em 2022. Bolsonaro precisa sofrer um impeachment imediatamente”, argumentou. 

“Bolsonaro já deixou claro que não aceita outro resultado a não ser a vitória. Não dá para, por arranjos de grupos políticos, deixá-lo no poder”, acrescentou. 

Boaventura defendeu que “o movimento de impeachment de Bolsonaro “deve estar amparado em uma grande pressão popular” e que "sem mobilização de rua, as instituições não se movem no Brasil".

Inscreva-se na TV 247 e confira a íntegra da entrevista:


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email