Incêndios criminosos e homicídios por terra permanecem na rotina amazônica

As áreas com alerta de destruição na Amazônia já somam 7.853,91 quilômetros quadrados, 92% a mais que no mesmo período do ano passado, segundo o Deter, sistema de alertas do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). 2019 já registrou mais desmatamento que os três anos anteriores, mesmo a dois meses e meio para o fim do ano

(Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)

247 - As áreas com alerta de destruição na Amazônia já somam 7.853,91 quilômetros quadrados, 92% a mais que no mesmo período do ano passado, segundo o Deter, sistema de alertas do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). 2019 já registrou mais desmatamento que os três anos anteriores, mesmo a dois meses e meio para o fim do ano.

A reportagem do jornal El País destaca que "os maiores índices de desmatamento estão no Pará, que abriga imensas áreas de reservas naturais e indígenas cobiçadas por grileiros, garimpeiros e madeireiros. Uma dessas áreas na mira é o território dos Arara, conhecidos por serem guerreiros. Suas terras estão na bacia do rio Xingu e abrangem mais de 274.000 hectares da Amazônia e quatro municípios. Demarcadas em 1991, até hoje invasores colocam em xeque a sobrevivência da selva e dos próprios indígenas que nela habitam. Em fevereiro de 2018, quatro famílias dessa etnia deixaram a aldeia Laranjal, uma das cinco instaladas no interior da floresta, para se estabelecerem na fronteira do território com a rodovia Transamazônica. O cacique Turu, que levou consigo sua esposa, duas enteadas e seus pais, tinha um único objetivo: tentar coibir, até agora sem armas, apenas com sua presença, a ação de invasores que roubam madeiras valiosas. Quase todas as noites saem com caminhões carregados com jatobá, ipê, massaranduba ou angelim. "Já fizemos denúncias, mas até agora não tomaram providências", acusa o homem, de 37 anos."

A matéria ainda acrescenta que "a terra indígena dos Arara faz fronteira com 35 quilômetros da Transamazônica, entre os municípios de Uruará e Medicilândia – a cidade tem esse nome em homenagem ao ditador Emílio Garrastazu Médici, que governou o país de 1969 a 74. Da rodovia é possível ver dezenas de ramais na mata por onde entram e saem os caminhões e máquinas que, pouco a pouco, vão carcomendo o interior da floresta. "É triste", repete Turu a cada minuto, enquanto pisa nas marcas de pneu e pacotes de cigarro, o rastro dos invasores. Por fora, a mata parece intacta. Dentro há pedaços de tronco e árvores caídas por todas as partes. Muita destruição já foi feita. "É indignante ver que estão roubando algo que é nosso e não poder fazer nada. Nós sobrevivemos da mata, da caça de macacos, jabutis... A nossa briga é para que os brancos não desmatem tudo", explica o cacique, que já trabalhou em fazendas e, agora, pretende plantar cacau na floresta para ter uma fonte de renda. Para isso, precisa de segurança."

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247