Incentivados por 8 decretos de Bolsonaro, registros de novas armas disparam

Até novembro, os novos registros concedidos pela Polícia Federal para posse de armas aumentaram 48%. Em outubro, havia 1.013.139 registros de armas ativos no país. Bolsonaro editou oito decretos incentivando

Tijolaço: Bolsonaro assume que armas são para formar milícias
Tijolaço: Bolsonaro assume que armas são para formar milícias (Foto: Alan Santos/PR | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No embalo de oito decretos editados por Jair Bolsonaro que facilitam a aquisição de armas e o relaxamento das regras para quem deseja se locomover sem porte, os registros concedidos bateram recorde em 2019 e atingiram o maior número das últimas décadas, informa a Folha de S.Paulo nesta sexta-feira (27).

"Até novembro, os novos registros concedidos pela Polícia Federal para posse de armas aumentaram 48%, passando de 47,6 mil em todo o ano passado para 70,8 mil nos primeiros 11 meses de 2019. O número é o recorde ao menos desde 1997, dado mais antigo obtido pela reportagem", conta.

Com isso, em outubro havia 1.013.139 registros de armas ativos no país, apenas no sistema mantido pela PF (Sinarm), cuja permissão é para a posse das armas, mantidas em casa e no comércio.

"A conta de novas autorizações não inclui os registros para caçadores, atiradores e colecionadores, concedidos pelo Exército (sistema Sigma), também em alta. Neste caso, as novas armas passaram de cerca de 60 mil em 2018 inteiro para 65 mil nos primeiros 11 meses deste ano, uma variação de 8%", diz a reportagem.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247