Indicado por Dilma, Fachin manda Dilma para Moro

Nomeado por Dilma Rousseff para o Supremo Tribunal Federal, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na corte, mandou para a Justiça Federal do Paraná os trechos da delação do marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica Moura, que tratam do uso de caixa dois nas campanhas de Dilma Rousseff, em 2010 e 2014; dessa forma, investigações sobre o caso vão ficar sob os cuidados do juiz Sérgio Moro

Nomeado por Dilma Rousseff para o Supremo Tribunal Federal, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na corte, mandou para a Justiça Federal do Paraná os trechos da delação do marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica Moura, que tratam do uso de caixa dois nas campanhas de Dilma Rousseff, em 2010 e 2014; dessa forma, investigações sobre o caso vão ficar sob os cuidados do juiz Sérgio Moro
Nomeado por Dilma Rousseff para o Supremo Tribunal Federal, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na corte, mandou para a Justiça Federal do Paraná os trechos da delação do marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica Moura, que tratam do uso de caixa dois nas campanhas de Dilma Rousseff, em 2010 e 2014; dessa forma, investigações sobre o caso vão ficar sob os cuidados do juiz Sérgio Moro (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, mandou para a Justiça Federal do Paraná os trechos da delação do marqueteiro João Santana e sua mulher, Mônica Moura, que tratam do uso de caixa dois nas campanhas de Dilma Rousseff, em 2010 e 2014.

Fachin foi indicado à vaga do STF por Dilma.

"Dessa forma, investigações sobre o caso vão ficar sob os cuidados do juiz Sérgio Moro.

Fachin suspendeu nesta quinta-feira (11) o sigilo dos depoimentos do casal e do funcionário André Santana.

Outras citações da delação, envolvendo políticos sem foro privilegiado, também foram enviadas ao Paraná.

As citações relativas a cinco parlamentares com prerrogativa de foro no Supremo serão juntadas a outras investigações já em andamento ou serão alvos de pedidos de novos inquéritos.

Os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Marta Suplicy (PMDB-SP), e os deputados federais Vander Loubet (PT-MS) e Zeca do PT (PT-MS) foram citados pelos delatores participando do esquema de propina.

No caso dos deputados, o ministro Fachin abriu vista para a PGR (Procuradoria-Geral da República) decidir se pede ou não a abertura de inquérito.

Já no caso dos senadores, as citações foram juntadas a outros procedimentos em andamento no STF – como pedido de abertura de inquérito já aberto."

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247