“Infelizmente não posso decidir sozinho”, diz Marco Aurélio sobre prisão em 2ª instância

O ministro do STF Marco Aurélio Mello disse que "infelizmente" não poderá decidir de forma monocrática ao pedido do PCdoB pelo fim das prisões em segunda instância, processo do qual ele é relator e que poderá beneficiar o ex-presidente Lula; sobre a possibilidade do caso ser debatido em setembro, quando o ministro Dias Tofffoli assumir a presidência, ele foi enfático: "Aprecio muito a primavera"

“Infelizmente não posso decidir sozinho”, diz Marco Aurélio sobre prisão em 2ª instância
“Infelizmente não posso decidir sozinho”, diz Marco Aurélio sobre prisão em 2ª instância (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello disse que "infelizmente" não poderá decidir de forma monocrática ao pedido do PCdoB para que a Suprema Corte acabe com as prisões em segunda instância, processo do qual ele é relator. Para ele o assunto já foi levado sem sucesso à presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, visando que o assunto fosse discutido em plenário, mas que o caso poderá ser debatido em setembro, quando o ministro Dias Tofffoli assumir a presidência. "Aprecio muito a primavera", afirmou ao ser indagado sobre o assunto.

Marco Aurélio disse que apesar de ser favorável à prisão somente após o trânsito em julgado, ele não poderia decidir sozinho sobre o assunto porque isso iria de encontro a um entendimento anterior do plenário da Corte. "Não posso (dar uma liminar), infelizmente não posso ante ao que foi assentado até aqui pelo colegiado maior", observou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247