Investigado pela CPI, presidente do CFM pediu uso de cloroquina contra Covid-19

O negacionismo e a conduta anticiência devem levar à responsabilização do presidente do CFM, Mauro Ribeiro, pela CPI da Covid

www.brasil247.com - Mauro Ribeiro
Mauro Ribeiro (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)


247 - Em um documento de abril de 2020, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Luiz de Britto Ribeiro, pediu a liberação do uso de cloroquina e hidroxicloroquina, "em condições excepcionais", para tratamento de pacientes diagnosticados com a Covid-19. O dirigente é um dos investigados pela CPI da Covid, que divulgará nesta semana o relatório final com suas considerações sobre eventuais crimes do governo federal durante o combate à pandemia.

De acordo com o portal Uol, o parecer foi aprovado por unanimidade em sessão plenária do conselho em 16 de abril de 2020. Ribeiro assinou o pedido como "relator" e, na parte como "interessado" na liberação dos medicamentos, ficou registrado o CFM.

Em nota, o CFM afirmou que o parecer público foi aprovado de forma legal, seguindo as regras do conselho, e entregue a Jair Bolsonaro, fazendo com que o conselho comprovasse "seu compromisso com a transparência de seus atos".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente do órgão é próximo de Bolsonaro. Em vídeo este mês, por exemplo, Ribeiro fez elogios ao governo e escancarou: "existe sim apoio do Conselho Federal de Medicina ao Ministério da Saúde e ao presidente Bolsonaro". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email