Itália decide extraditar Henrique Pizzolato

Condenado na Ação Penal 470, no processo do chamado 'mensalão', ex-diretor do Banco do Brasil ainda pode recorrer à corte europeia; decisão italiana foi anunciada nesta terça-feira

Condenado na Ação Penal 470, no processo do chamado 'mensalão', ex-diretor do Banco do Brasil ainda pode recorrer à corte europeia; decisão italiana foi anunciada nesta terça-feira
Condenado na Ação Penal 470, no processo do chamado 'mensalão', ex-diretor do Banco do Brasil ainda pode recorrer à corte europeia; decisão italiana foi anunciada nesta terça-feira (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, será extraditado pela Itália. A decisão foi tomada pelo Conselho de Estado, última instância da justiça administrativa do país europeu.

Condenado na Ação Penal 470, no chamado 'mensalão', ele fugiu em 2013 do Brasil para escapar da prisão. Em 2014, no entanto, foi descoberto e preso na Itália.

Agora, o ex-diretor do BB ainda poderá apresentar um recurso à Corte Europeia de Direitos Humanos, sediada em Estrasburgo, na França.

Pizzolato alegava a impossibilidade cumprir a pena com dignidade no Brasil. "São três unidades que podem perfeitamente recebê-lo sem que ele sofra nenhuma violência, sem nenhuma lesão à sua integridade física ou à sua vida, e que cumpriria a pena do mesmo modo que os outros réus condenados na ação penal 470 cumpriram", disse o procurador federal Vladimir Aras.

Pizzolato foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão, por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247