J&F entra com ação nos EUA contra escritório responsável por delação premiada

J&F ingressou com uma ação nos EUA contra o escritório Trench, Rossi e Watanabe/Baker McKenzie, responsável pelo acordo de delação premiada de executivos junto ao MPF, por má prática profissional e quebra do dever fiduciário entre advogado e cliente em virtude de não ter informado a situação funcional do ex-procurador Marcelo Miller e as possíveis implicações desta condição no momento de fechamento dos termos da delação

Portão de entrada de unidade da JBS em Jundiaí (SP) 01/06/2017 REUTERS/Paulo Whitaker
Portão de entrada de unidade da JBS em Jundiaí (SP) 01/06/2017 REUTERS/Paulo Whitaker (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A J&F ingressou com uma ação nos Estados Unidos contra o escritório Trench, Rossi e Watanabe/Baker McKenzie, responsável pelo acordo de delação premiada de executivos junto ao Ministério Público Federal, por má prática profissional e quebra do dever fiduciário entre advogado e cliente em virtude de não ter informado a situação funcional do ex-procurador Marcelo Miller e as possíveis implicações desta condição no momento de fechamento dos termos da delação

Miller participou de reuniões com executivos da J&F – já como sócio do escritório enquanto ainda atuava como procurador – sem que fossem garantidas medidas para que sua participação não fosse considerada ilegal.
A situação resultou na rescisão dos termos de colaboração premiada dos executivos do grupo com a Procuradoria-geral da República.

Na ação, a J&F pede que os escritórios paguem indenizações pelos danos causados.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247