Janio sugere Stédile e Boulos como alternativas do PT

O jornalista Janio de Freitas afirma nesta quinta-feira, 15, que os líderes do MST, João Pedro Stedile, e do MTST, Guilherme Boulos, podem ser alternativas para o PT, numa recuperação das teses e propostas do "PT-de-origem", caso o ex-presidente não concorra; "João Pedro Stedile é economista formado pela PUC-RS, com pós-graduação na Universidade Nacional do México. Muito inteligente, calmo, discreto. Com formação em psicanálise, Guilherme Boulos tem boa base cultural e liderança fácil, já mostrada no Movimento dos Sem-Teto. São cabeças organizadas, quanto aos preceitos e conclusões de cada um. E iguais como alvos do misto de pânico e ódio do empresariado dominante", diz ele 

O jornalista Janio de Freitas afirma nesta quinta-feira, 15, que os líderes do MST, João Pedro Stedile, e do MTST, Guilherme Boulos, podem ser alternativas para o PT, numa recuperação das teses e propostas do "PT-de-origem", caso o ex-presidente não concorra; "João Pedro Stedile é economista formado pela PUC-RS, com pós-graduação na Universidade Nacional do México. Muito inteligente, calmo, discreto. Com formação em psicanálise, Guilherme Boulos tem boa base cultural e liderança fácil, já mostrada no Movimento dos Sem-Teto. São cabeças organizadas, quanto aos preceitos e conclusões de cada um. E iguais como alvos do misto de pânico e ódio do empresariado dominante", diz ele 
O jornalista Janio de Freitas afirma nesta quinta-feira, 15, que os líderes do MST, João Pedro Stedile, e do MTST, Guilherme Boulos, podem ser alternativas para o PT, numa recuperação das teses e propostas do "PT-de-origem", caso o ex-presidente não concorra; "João Pedro Stedile é economista formado pela PUC-RS, com pós-graduação na Universidade Nacional do México. Muito inteligente, calmo, discreto. Com formação em psicanálise, Guilherme Boulos tem boa base cultural e liderança fácil, já mostrada no Movimento dos Sem-Teto. São cabeças organizadas, quanto aos preceitos e conclusões de cada um. E iguais como alvos do misto de pânico e ódio do empresariado dominante", diz ele  (Foto: Aquiles Lins)

247 - O jornalista Janio de Freitas, colunista da Folha de S. Paulo, afirma nesta quinta-feira, 15, que a ideia de que o PT, caso Lula não concorra, só conta com o ex-governador Jaques Wagner e o ex-prefeito Fernando Haddad "reduz a realidade do partido e do sentimento de discriminação que o fere".

Janio elogia a trajetória dos dois líderes petistas e destaca que eles jamais endossaram a hipótese. Foram lançados pela imprensa, em precipitação talvez induzida como prevenção contra nomes de desagrado ainda maior do empresariado dominante.

"A recuperação das teses e propostas do PT-de-origem é vista, por número crescente, não só como essencial ao país e aos petistas, mas também como porta principal para a proximidade orgânica com partidos e movimentos de esquerda autêntica. O que logo destaca o PSOL, onde estão vários petistas da origem. Uma tal política, é claro, só pode ser desenvolvida por portadores dessas concepções, que, tanto quanto propostas, são também de autocrítica", diz Janio. 

Como alternativas, o colunista cita o líder do MST, João Pedro Stedile, e o coordenador do MTST, Guilherme Boulos. "João Pedro Stedile é economista formado pela PUC-RS, com pós-graduação na Universidade Nacional do México. Muito inteligente, calmo, discreto. Guilherme Boulos, ainda sem partido, é filho de professor universitário e professor ele também. Com formação em psicanálise, tem boa base cultural e liderança fácil, já mostrada no Movimento dos Sem-Teto. São cabeças organizadas, quanto aos preceitos e conclusões de cada um. E iguais como alvos do misto de pânico e ódio do empresariado dominante", diz ele.

Leia o texto na íntegra. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247