Janot abre frente de investigação sobre fundos

Para o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, as mensagens apreendidas no celular do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, indicam que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), e o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, cobraram ‘vantagens indevidas’, por operações de capitalização das empresas do grupo OAS; “Pelo que se pode inferir, há aquisição de debêntures emitidas pelas empresas, que são adquiridas ou por bancos ou por fundos de pensão onde há ingerência política”, afirmou; Cunha teria cobrado propina para intermediar uma operação de venda de R$ 250 milhões em debêntures para o Fundo de Investimento do FGTS

Para o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, as mensagens apreendidas no celular do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, indicam que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), e o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, cobraram ‘vantagens indevidas’, por operações de capitalização das empresas do grupo OAS; “Pelo que se pode inferir, há aquisição de debêntures emitidas pelas empresas, que são adquiridas ou por bancos ou por fundos de pensão onde há ingerência política”, afirmou; Cunha teria cobrado propina para intermediar uma operação de venda de R$ 250 milhões em debêntures para o Fundo de Investimento do FGTS
Para o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, as mensagens apreendidas no celular do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, indicam que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), e o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, cobraram ‘vantagens indevidas’, por operações de capitalização das empresas do grupo OAS; “Pelo que se pode inferir, há aquisição de debêntures emitidas pelas empresas, que são adquiridas ou por bancos ou por fundos de pensão onde há ingerência política”, afirmou; Cunha teria cobrado propina para intermediar uma operação de venda de R$ 250 milhões em debêntures para o Fundo de Investimento do FGTS (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – No despacho da operação Catilinárias, o procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, apontou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), e o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, cobraram ‘vantagens indevidas’, por operações de capitalização das empresas do grupo OAS. Ele se baseou em mensagens apreendidas no celular do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro.

“Pelo que se pode inferir, há aquisição de debêntures emitidas pelas empresas, que são adquiridas ou por bancos ou por fundos de pensão onde há ingerência política”, afirmou. “Tudo mediante ao pagamento de vantagem indevida aos responsáveis por indicações políticas”, acrescentou.

Cunha teria cobrado propina para intermediar uma operação de venda de R$ 250 milhões em debêntures para o Fundo de Investimento do FGTS. Um aliado do peemedebista, Fabio Cleto, era o responsável na Caixa por esse tipo de operação.

Nas conversas o suposto pedido de propina de Vaccari envolve Carlos Augusto Borges, então diretor da Funcef.

Leia aqui reportagem de Graciliano Rocha sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247