Janot: blindagem a Alckmin é 'tecnicamente difícil de engolir'

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot criticou nesta quinta-feira, 12, a decisão do STJ que blindou o ex-governador Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB, das investigações da Lava Jato, encaminhando o inquérito que investiga o tucano para a Justiça Eleitoral; "Tecnicamente difícil de engolir essa", escreveu Janot, em sua conta no Twitter

CCJ - pauta: os senadores da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania sabatinam Rodrigo Janot Monteiro de Barros para exercer o cargo de procurador-geral da República.

Na mesa:
subprocurador-Geral da República, Rodrigo Janot Monteiro de Barros.
CCJ - pauta: os senadores da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania sabatinam Rodrigo Janot Monteiro de Barros para exercer o cargo de procurador-geral da República. Na mesa: subprocurador-Geral da República, Rodrigo Janot Monteiro de Barros. (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot criticou nesta quinta-feira, 12, a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que blindou o ex-governador Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB, das investigações da Lava Jato, encaminhando o inquérito que investiga o tucano para a Justiça Eleitoral.

"Tecnicamente difícil de engolir essa", escreveu Janot, em sua conta no Twitter.

A força-tarefa da Lava Jato em São Paulo havia pedido ao vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, que remetesse "o mais rápido possível" o inquérito sobre Alckmin.

O argumento dos procuradores era que a investigação envolvendo o ex-governador tucano auxiliaria no "andamento avançado de outras apurações correlatas".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247