Janot pede retirada de Moreira Franco do Ministério

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acrescentou um complicador para Michel Temer: enviou ao Supremo Tribunal Federal um parecer pedindo a anulação da Medida Provisória que reconduziu Moreira Franco ao cargo de ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acrescentou um complicador para Michel Temer: enviou ao Supremo Tribunal Federal um parecer pedindo a anulação da Medida Provisória que reconduziu Moreira Franco ao cargo de ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acrescentou um complicador para Michel Temer: enviou ao Supremo Tribunal Federal um parecer pedindo a anulação da Medida Provisória que reconduziu Moreira Franco ao cargo de ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República (Foto: Gisele Federicce)

Por Fernando Brito, do TijolaçoO Procurador Geral da República acrescentou um complicador para Michel Temer: enviou ao Supremo Tribunal Federal parecer pedindo a anulação da Medida Provisória que reconduziu Moreira Franco ao cargo de ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República.

Janot disse que a nova medida provisória que supriu a revogação da primeira nomeação de Moreira Franco, que venceu sem ser votada pelo Congresso no dia 1° deste mês “configura evidente burla à ordem constitucional, em especial aos arts. 2º e 62, caput e § 10”.

Para ele, “prolongam-se, por esse artifício, os efeitos de norma, que perderia eficácia por ausência de apreciação pelo Congresso Nacional, no prazo constitucional estipulado. A Constituição não confere tal prerrogativa ao chefe do Executivo”.

Também, segundo o procurador, a nova MP não “atende ao requisito constitucional de urgência, previsto no art. 62, caput, da Constituição da República. Ao revogar a MP 768/2017, o Presidente da República rejeitou seu próprio ato e retirou-o de apreciação pelo Congresso Nacional. Trata-se de conduta inconciliável com a própria natureza urgente da medida”.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247