Jobim critica “espetacularização” e ação política da Lava Jato

Ex-ministro da Justiça e ex-presidente do STF, Nelson Jobim fez duras críticas à operação Lava Jato neste domingo, 26; Jobim afirmou haver "espetacularização" em certas condutas de integrantes da Lava Jato, sem citar nomes; Jobim disse que a condução coercitiva contra o ex-presidente Lula foi um claro exemplo de abuso de autoridade; "Vão pegar um sujeito em um apartamento e aparece gente com metralhadora, helicóptero. Tudo isso faz parte daquilo que hoje nós chamaríamos de ação-espetáculo, ou seja, a espetacularização de todas as condutas. O Judiciário não é ambiente para você fazer biografia individual. Biografia se faz em política"

Ex-ministro da Justiça e ex-presidente do STF, Nelson Jobim fez duras críticas à operação Lava Jato neste domingo, 26; Jobim afirmou haver "espetacularização" em certas condutas de integrantes da Lava Jato, sem citar nomes; Jobim disse que a condução coercitiva contra o ex-presidente Lula foi um claro exemplo de abuso de autoridade; "Vão pegar um sujeito em um apartamento e aparece gente com metralhadora, helicóptero. Tudo isso faz parte daquilo que hoje nós chamaríamos de ação-espetáculo, ou seja, a espetacularização de todas as condutas. O Judiciário não é ambiente para você fazer biografia individual. Biografia se faz em política"
Ex-ministro da Justiça e ex-presidente do STF, Nelson Jobim fez duras críticas à operação Lava Jato neste domingo, 26; Jobim afirmou haver "espetacularização" em certas condutas de integrantes da Lava Jato, sem citar nomes; Jobim disse que a condução coercitiva contra o ex-presidente Lula foi um claro exemplo de abuso de autoridade; "Vão pegar um sujeito em um apartamento e aparece gente com metralhadora, helicóptero. Tudo isso faz parte daquilo que hoje nós chamaríamos de ação-espetáculo, ou seja, a espetacularização de todas as condutas. O Judiciário não é ambiente para você fazer biografia individual. Biografia se faz em política" (Foto: Aquiles Lins)

247 - O ex-ministro da Justiça e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Nelson Jobim fez duras críticas à operação Lava Jato em entrevista ao Estado de S. Paulo,publicada neste domingo, 26. 

Jobim afirmou haver "espetacularização" em certas condutas de integrantes da Lava Jato, sem citar nomes. "Há exageros. Inclusive nas prisões que são feitas em Curitiba (sede da operação sob responsabilidade do juiz federal Sérgio Moro), em que as coisas vão se prolongando e resultam em delações", afirmou. 

Nelson Jobim disse que o processo de condução coercitiva contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um claro exemplo de abuso de autoridade da operação. "[A condução coercitiva do Lula foi arbitrária], não tenha dúvida. Ela só é admissível quando alguém se nega a ir em uma audiência em que foi previamente intimado. Mas não se admite que alguém que não foi convocado para depor seja levado coercitivamente para depor", afirma.

"Vão pegar um sujeito em um apartamento e aparece gente com metralhadora, helicóptero. Tudo isso faz parte daquilo que hoje nós chamaríamos de ação-espetáculo, ou seja, a espetacularização de todas as condutas. O Judiciário não é ambiente para você fazer biografia individual. Biografia se faz em política", diz Jobim. 

O ex-ministro da Suprema Corte criticou também a ação política da operação contra o governo da presidente Dilma Rousseff e contra o ex-presidente Lula.

"A divulgação da gravação da presidente Dilma com Lula depois que havia encerrado o tempo de gravação, autorizado pelo próprio juiz que havia determinado a gravação. Você acha isso legítimo? Qual é a consequência disso? Esse episódio é seríssimo. Houve algum processo para verificar se houve algum abuso? Há um inquérito sobre isso? Que eu sabia, houve várias tentativas por parte dos interessados e que não aconteceu nada. Lembro bem que chegaram até a dizer: 'Casos excepcionais requerem medidas excepcionais'", afirma.

Leia na íntegra a entrevista de Nelson Jobim ao Estado de S. Paulo. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247