Josias: sob Temer, 200 ruralistas presidem 200 milhões

Jornalista Josias de Souza diz que "Michel Temer adotou um novo modelo de administração. Governa o país seguindo o método conhecido como do 'vai que cola'" e que "para se manter no Planalto, faz qualquer negócio"; segundo ele, "a portaria que dificulta o combate ao trabalho escravo pegou mal. Pegou muito mal"; "Depois de serem despudoradamente assaltados por sucessivos governos, os mais de 200 milhões de brasileiros passaram a ser governados por 200 deputados da bancada ruralista da Câmara, cuja prioridade é escravizar Temer para levar o Brasil até o Século 16", ressalta

Josias de souza, trabalho escravo, Michel Temer .2
Josias de souza, trabalho escravo, Michel Temer .2 (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Josias de Souza diz que "Michel Temer adotou um novo modelo de administração. Governa o país seguindo o método conhecido como do 'vai que cola'" e que "para se manter no Planalto, faz qualquer negócio". Segundo ele, no governo Temer "as coisas não são certas ou erradas. Elas são absorvidas ou pegam mal. A portaria que dificulta o combate ao trabalho escravo pegou mal. Pegou muito mal".

"Ao perceber que a coisa não colou, Temer ensaia um ajuste na pose. Aconteceu a mesma coisa com um decreto de Temer para a exploração mineral numa área de reserva na Amazônia. O presidente anunciou a novidade de sopetão. Pegou mal. Temer mandou refazer o decreto. Não colou. Submetido a uma gritaria internacional, Temer revogou o decreto e saiu de fininho", diz Josias.

Em sua análise, "Temer avança ou recua segundo a moral da sobrevivência. Assustadora mesmo é a sina dos brasileiros. Depois de serem despudoradamente assaltados por sucessivos governos, os mais de 200 milhões de brasileiros passaram a ser governados por 200 deputados da bancada ruralista da Câmara, cuja prioridade é escravizar Temer para levar o Brasil até o Século 16", finaliza.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247