Jovens negros estavam sendo abordados pela PM no momento em que supostamente cometiam crime

Eles foram denunciados pelo sequestro relâmpago de um médico. O crime ocorreu, porém, no momento em que dois deles estavam sendo abordados por policiais enquanto andavam na rua. Ainda mais, os jovens não batem com a descrição feita pela vítima

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Há um mês, três jovens negros foram presos pela Polícia Militar na zona sul de São Paulo. Eles foram denunciados pelo Ministério Público pelo sequestro relâmpago de um médico. O crime ocorreu, porém, no momento em que dois deles estavam sendo abordados por policiais enquanto andavam na rua.

Os homens, ainda, não se parecem com os criminosos descritos pela vítima no boletim de ocorrência.

Mesmo assim, Lennon Seixas Vieira da Silva, 27, e os irmãos Bruno Souza dos Prazeres, 27, e Rodrigo Souza dos Prazeres, 31, se tornaram réus pelo crime no dia 22 de janeiro.

Lennon e Bruno foram filmados por uma câmera de segurança do bairro, comprovando que eles foram abordados por policiais no horário em que a vítima afirmou estar sequestrada pelos criminosos.

Segundo relato da PM, o carro foi encontrado às 23h e a 600 metros de onde os dois jovens estavam. A abordagem deles, entretanto, segundo as câmeras de segurança, iniciou às 22h57.

Após ser sequestrado e roubado pelos ladrões, o médico fez uma denúncia e descreveu os criminosos: 

“Um dos ladrões foi descrito pelo médico como um homem de 20 anos de bigode, o segundo seria um rapaz de aparentemente 17 anos e de 1m90 de altura e o terceiro é descrito como ‘20 anos de idade (Tiago)’ e usava roupas pretas e uma máscara branca”, relata reportagem do UOL.

Os três homens presos, porém, têm entre 27 e 31 anos e nenhum deles tem bigode. Ainda mais, eles medem entre 1m60 e 1m70. As roupas também não batem. A única semelhança com a descrição feita pela vítima é que eles são negros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email