Juiz suspende depoimento de Lula e filho em inquérito da Zelotes

Desembargador do TRF-1 Néviton Guedes suspendeu os interrogatórios do ex-presidente Lula e de um de seus filhos, Luís Cláudio Lula da Silva, em um processo da Operação Zelotes nos quais ambos figuram como réus; depoimento de Lula estava marcado para o próximo dia 3 de novembro e o de Luís Cláudio para o dia 30 do mesmo mês; decisão de Guedes, tomada na noite desta terça-feira (24), aconteceu pouco depois da defesa questionar, por meio de um habeas corpus, a realização dos interrogatórios sem que todas as testemunhas fossem ouvidas

Desembargador do TRF-1 Néviton Guedes suspendeu os interrogatórios do ex-presidente Lula e de um de seus filhos, Luís Cláudio Lula da Silva, em um processo da Operação Zelotes nos quais ambos figuram como réus; depoimento de Lula estava marcado para o próximo dia 3 de novembro e o de Luís Cláudio para o dia 30 do mesmo mês; decisão de Guedes, tomada na noite desta terça-feira (24), aconteceu pouco depois da defesa questionar, por meio de um habeas corpus, a realização dos interrogatórios sem que todas as testemunhas fossem ouvidas
Desembargador do TRF-1 Néviton Guedes suspendeu os interrogatórios do ex-presidente Lula e de um de seus filhos, Luís Cláudio Lula da Silva, em um processo da Operação Zelotes nos quais ambos figuram como réus; depoimento de Lula estava marcado para o próximo dia 3 de novembro e o de Luís Cláudio para o dia 30 do mesmo mês; decisão de Guedes, tomada na noite desta terça-feira (24), aconteceu pouco depois da defesa questionar, por meio de um habeas corpus, a realização dos interrogatórios sem que todas as testemunhas fossem ouvidas (Foto: Paulo Emílio)

247 - O desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) Néviton Guedes suspendeu os interrogatórios do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de um de seus filhos, Luís Cláudio Lula da Silva, em um processo da Operação Zelotes nos quais ambos figuram como réus. O depoimento de Lula estava marcado para o próximo dia 3 de novembro e o de Luís Cláudio para o dia 30 do mesmo mês.

Decisão de Guedes, tomada na noite desta terça-feira (24), aconteceu pouco depois da defesa questionar, por meio de um habeas corpus, a realização dos interrogatórios sem que todas as testemunhas fossem ouvidas. De acordo com o magistrado, o interrogatório de um réu somente pode ser realizado "após finalizados todos os demais atos de instrução do processo, o que inclui a oitiva de testemunhas, ainda que realizada por meio de carta precatória/rogatória".

Ainda segundo ele, as oitivas devem ser suspensas até o julgamento do mérito do habeas corpus ou até o término do prazo determinado pelo juiz de primeira instância, Vallisney de Souza Oliveira.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247