Juíza que citou raça em sentença pode ser demitida e processada. Condenação tende a ser anulada

A juíza de Curitiba (PR) Inês Marchalek Zarpelon, que citou, numa sentença, a raça de um réu para associá-lo a grupo criminoso, pode ser exonerada do serviço público e ainda responder a processo criminal por racismo

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Inês Marchalek Zarpelon, juíza de Curitiba (PR), pode ser processada por racismo e exonerada do cargo. Ela citou a raça de um réu para associá-lo a grupo criminoso. A menção poder levar ainda a uma reforma e até à anulação da decisão que condenou o réu.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que “na sentença, de junho, a magistrada citou que Natan Vieira da Paz, um homem negro de 48 anos, “seguramente” integrava a organização, “em razão de sua raça”. O caso ganhou repercussão com uma postagem da advogada do condenado, Thayse Pozzobon.”

A matéria ainda informa que “a Defensoria Pública do Paraná anunciou que constituirá uma força-tarefa para revisar todas as sentenças proferidas pela juíza nos últimos 12 meses. Em nota, a entidade afirmou ter recebido com "estarrecimento e inconformismo" o teor da decisão.”

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247