Julgamentos de políticos com foro privilegiado pelo STF deverão elevar tensão com o Congresso

Decisão do presidente do STF, Luiz Fux, de incluir a discussão em plenário de casos criminais, como os do traficante André do Rap e do senador Chico Rodrigues, deverá aumentar a tensão com o Congresso, uma vez que que os julgamentos de políticos com foro privilegiado devem ser transmitidos ao vivo

Plenário do Supremo Tribunal Federal 17/10/2019
Plenário do Supremo Tribunal Federal 17/10/2019 (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A inclusão dos casos na agenda do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) dos casos do traficante André de Oliveira Macedo, o André do Rap, e do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado em uma operação da Polícia Federal com dinheiro escondido na cueca, indica que a presidência de Luiz Fux  deverá ser marcada em grande parte pelos julgamentos criminais. Segundo reportagem da coluna Painel, da Folha de S. Paulo, a mudança no formato deverá aumentar a tensão entre o STF e o Congresso, uma vez que que os julgamentos de políticos com foro privilegiado devem ser transmitidos ao vivo. 

“Os ministros terão que julgar ainda no calor dos acontecimentos a polêmica decisão de Luís Roberto Barroso de afastar o parlamentar flagrado com dinheiro na cueca e entre as nádegas, depois de ampla repercussão. A análise do caso do senador deve expor, até mais do que no episódio do chefe do PCC, as divisões da corte”, uma vez que ojulgamento envolve questões sobre a separação entre os Poderes e medidas contra a corrupção, destaca a reportagem. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247