Justiça derruba norma da PF que flexibilizava porte ilegal de armas, fruto de lobby de Eduardo Bolsonaro

Ivan Valente (PSOL-SP) conseguiu liminar para anular efeitos de nota técnica fragilizava a fiscalização de porte ilegal de arma por caçadores, atiradores e colecionadores (CACs)

Eduardo Bolsonaro faz gesto de arma em frente a monumento pela paz
Eduardo Bolsonaro faz gesto de arma em frente a monumento pela paz (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

Revista Fórum - A Justiça Federal de São Paulo atendeu a uma ação popular apresentada pelo deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e anulou os efeitos de trechos de uma norma técnica da Polícia Rodoviária Federal (PRF), emitido em setembro, que flexibilizava o porte ilegal de armas por parte de caçadores, atiradores e colecionadores (CAC).

Bolsonaristas estão utilizando brecha na legislação para garantir armas pesadas a quem não teria esse direito, se aproveitando da fragilização da fiscalização do porte ilegal de armas através da nota técnica da PRF.

Lobby de Eduardo Bolsonaro

No dia 1º de setembro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) teve uma reunião com o diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques e, após o encontro, o órgão emitiu aos seus agentes a nota técnica que permitia que os CACs circulem por rodovias com suas armas, bastando dizer, caso sejam abordados por policiais, que estão a caminho do local da prática de caça ou tiro esportivo, sem terem maiores problemas.

PUBLICIDADE

Leia a íntegra na Fórum.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email