'Lamentável incidente', diz ministro da Defesa sobre fuzilamento no Rio

Ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, classificou como "lamentável incidente" a morte do músico Evaldo dos Santos Rosa, 51 anos, em decorrência de uma operação do Exército, em Guadalupe, zona oeste do Rio de Janeiro; carro de Evaldo foi atingido por mais de 80 tiros de fuzil, disparados pelos militares; "Foi um lamentável incidente, que vamos apurar e cortar na própria carne. Ele será apurado até as últimas consequências. Tudo será julgado muito rápido e apurado da forma devida", disse

'Lamentável incidente', diz ministro da Defesa sobre fuzilamento no Rio
'Lamentável incidente', diz ministro da Defesa sobre fuzilamento no Rio (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Pedro Peduzzi, repórter da Agência Brasil - O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, classificou como "lamentável incidente" a morte do músico Evaldo dos Santos Rosa, 51 anos, em decorrência de uma operação do Exército, em Guadalupe, zona oeste do Rio de Janeiro. O carro de Evaldo foi atingido por mais de 80 tiros de fuzil, disparados pelos militares. "Vamos apurar [o caso] e cortar na própria carne", disse o ministro durante audiência pública na Câmara dos Deputados.

"Foi um lamentável incidente, que vamos apurar e cortar na própria carne. Ele será apurado até as últimas consequências. Tudo será julgado muito rápido e apurado da forma devida", garantiu o general.

Segundo ele, ao redor da guarnição no bairro Marechal Deodoro há células de tráfico, milícias e organizações criminosas que ameaçam, inclusive, a população local. "Houve [na ocasião] troca [de tiros] muito forte em uma vila residencial nas proximidades. Na volta, teve esse incidente envolvendo uma patrulha. Ao que parece, eles [os militares] não seguiram as normas regulamentares de engajamento e, por isso, os 12 já estão presos por não cumprir as normas de engajamento. Foi lamentável e triste, mas foi um fato isolado".

Fernando Azevedo disse que todos os militares envolvidos foram ouvidos e que a conclusão é de que eles "não seguiram as normas em vigor", motivo pelo qual foram presos. "É um fato dentro de um contexto de várias operações de GLO [Garantia da Lei e da Ordem] e de paz", acrescentou.

Apesar do ocorrido, o general afirmou que a intervenção deixará um legado para o Rio de Janeiro. "Será o Plano Estratégico de Segurança Pública para o Rio de Janeiro. Ele estruturará a segurança no estado, em especial a inteligência, que já tem inclusive ajudado as investigações", disse.

Ele lembrou, ainda, que tanto a GLO como as intervenções ocorridas no estado não foram a pedido das Forças Armadas. "Nós fomos convocados. Isso foi missão".

Operação

O músico Evaldo dos Santos Rosa foi morto em uma operação do Exército, em Guadalupe, na zona oeste da cidade. O carro em que estava a família foi atingido por mais de 80 tiros disparados pelos militares. Evaldo, a mulher, o filho de 7 anos, o sogro e uma amiga da família estavam indo para um chá de bebê.

O músico foi atingido por três tiros e morreu na hora. O sogro, Sérgio Gonçalves de Araújo, recebeu um tiro nas costas e outro no glúteo. Os tiros atingiram também um homem que tentava socorrer a família.

Segundo a viúva de Evaldo, Luciana Nogueira, não houve confronto, e os tiros começaram assim que o carro da família entrou na rua.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247