Lava Jato apura propinas em contrato de informática de R$ 53 mi do BB

Dois ex-sócios da Ação Informática informaram à PF terem repassado R$ 4,9 milhões para a Credencial Construtora, acusada de ser empresa de fachada usada para lavagem de dinheiro no escândalo Petrobras, por serviços de "consultoria", em 2010, em negócio de fornecimento de software para o banco; a Credencial, que tem sede em Sumaré (SP), pertence a Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique de Oliveira Macedo, ambos presos em maio na 30ª fase da Lava Jato (Operação Vício)

Dois ex-sócios da Ação Informática informaram à PF terem repassado R$ 4,9 milhões para a Credencial Construtora, acusada de ser empresa de fachada usada para lavagem de dinheiro no escândalo Petrobras, por serviços de "consultoria", em 2010, em negócio de fornecimento de software para o banco; a Credencial, que tem sede em Sumaré (SP), pertence a Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique de Oliveira Macedo, ambos presos em maio na 30ª fase da Lava Jato (Operação Vício)
Dois ex-sócios da Ação Informática informaram à PF terem repassado R$ 4,9 milhões para a Credencial Construtora, acusada de ser empresa de fachada usada para lavagem de dinheiro no escândalo Petrobras, por serviços de "consultoria", em 2010, em negócio de fornecimento de software para o banco; a Credencial, que tem sede em Sumaré (SP), pertence a Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique de Oliveira Macedo, ambos presos em maio na 30ª fase da Lava Jato (Operação Vício) (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Operação Lava Jato investiga suposto pagamento de propinas em contrato do Banco do Brasil com a Ação Informática Brasil, em negócio de fornecimento de software para o banco, fechado em 2010, por R$ 53,2 milhões.

Dois ex-sócios da Ação Informática informaram à PF terem repassado R$ 4,9 milhões para a Credencial Construtora, acusada de ser empresa de fachada usada para lavagem de dinheiro no escândalo Petrobras.

A Credencial, que tem sede em Sumaré (SP), pertence a Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique de Oliveira Macedo, ambos presos em maio na 30ª fase da Lava Jato (Operação Vício).

A força-tarefa afirma ter provas do repasse de dinheiro de corrupção da Credencial para o ex-ministro José Dirceu em contratos de fornecimento de tubos para obras da Petrobrás.

Leia aqui reportagem de Ricardo Brandt e Fausto Macedo sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247