Lenio Streck sobre nota antivacina do Ministério da Saúde: “responsável deveria ser preso em flagrante”

Jurista questiona ainda: “onde está um outro ministério, o tal de Ministério Público? Fará algo? Há ou não há limites para o charlatanismo?”

www.brasil247.com -
(Foto: OAB)


247 - O jurista e professor Lenio Streck pediu punição ao autor da nota técnica antivacina publicada pelo Ministério da Saúde do governo Bolsonaro, pasta comandada por Marcelo Queiroga. O texto, assinado pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Helio Angotti, diz que a cloroquina é eficaz no tratamento contra a Covid e as vacinas, não.

“Ministério da Saúde diz que cloroquina é segura… e VACINA, não! Fantástico! O responsável devia ser PRESO EM FLAGRANTE! Aliás, by the way: onde está um outro  ministério, o tal de Ministério Público? Fará algo? Hum…!  Há ou não há limites para o charlatanismo? Acho que não!”, postou Lenio Streck no Twitter.

Em um trecho do documento, a pasta comandada por Marcelo Queiroga afirma que há efetividade e segurança no uso da substância no tratamento contra a Covid-19. Em contrapartida, no mesmo trecho, a nota pontua que não existe efetividade e segurança no uso de vacinas contra a Covid-19. O Ministério da Saúde aponta que não há demonstração de efetividade da vacina "em estudos controlados e randomizados" nem de segurança "em estudos experimentais e observacionais adequados".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email