CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lewandowski suspende a ação penal sobre a compra de caças Grippen, o último processo que resta contra Lula

A acusação apontava tráfico de influência na aquisição de caças suecos Saab-Grippen, em 2013. Plenário do STF ainda vai decidir

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

247 - O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu cauterlarmente a tramitação da ação penal do chamado "caso dos Caças Grippen", o último processo que resta contra o ex-presidente Lula.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A acusação apontava tráfico de influência na aquisição dos caças suecos Saab-Grippen. A compra se deu em 2013, durante o governo Dilma Rousseff. No processo de compra, a aeronave militar sueca derrotou o F-18 Super Hornet, da Boeing, e o francês Rafale, produzido pela Dassault Aviation. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O caso possui as digitais de Deltan Dallagnol, da extinta força-tarefa da Operação Lava Jato, que prendeu injustamente Lula e impulsionou o ex-procurador para a política, assim como o fez o ex-juiz suspeito Sergio Moro. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DAS RECOMENDAÇÕES

A compra dos caças Grippen cumpriu todos os parâmetros legais, afirma Lewandowski: "a compra das referidas belonaves ocorreu, rigorosamente, dentro dos parâmetros constitucionais de legalidade, legitimidade e economicidade (art. 70 da CF), mesmo porque, até o presente momento, passados mais de sete anos da assinatura do respectivo contrato, não existe nenhuma notícia de ter sido ele objeto de contestação por parte dos órgãos de fiscalização, a exemplo da Controladoria-Geral da União, do Ministério Público Federal ou do Tribunal de Contas da União".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Defiro o pedido formulado pela defesa para suspender cautelarmente a tramitação do caso, até o julgamento definitivo do mérito do presente pleito", completa. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE