Lula deixou vídeos gravados para campanha

Demonstrando ter o domínio das estratégias desenhadas para todo e qualquer tipo de cenário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou um estoque volumoso de vídeos pré-gravados para serem usados em campanha, caso sua prisão ilegal se prolongue por mais algum tempo antes das eleições de 2018; os vídeos, pré-produzidos pelo fotógrafo Ricardo Stuckert, ainda estão sob sigilo e devem ser desovados à medida em que a campanha se inicie oficialmente; o ex-presidente, demonstra, assim, estar de posse de sua candidatura, contando com o fato de que a ausência física presente em vídeo pode exercer um poder de persuasão ainda mais intenso que as habituais e protocolares edições de campanhas políticas tradicionais

Demonstrando ter o domínio das estratégias desenhadas para todo e qualquer tipo de cenário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou um estoque volumoso de vídeos pré-gravados para serem usados em campanha, caso sua prisão ilegal se prolongue por mais algum tempo antes das eleições de 2018; os vídeos, pré-produzidos pelo fotógrafo Ricardo Stuckert, ainda estão sob sigilo e devem ser desovados à medida em que a campanha se inicie oficialmente; o ex-presidente, demonstra, assim, estar de posse de sua candidatura, contando com o fato de que a ausência física presente em vídeo pode exercer um poder de persuasão ainda mais intenso que as habituais e protocolares edições de campanhas políticas tradicionais
Demonstrando ter o domínio das estratégias desenhadas para todo e qualquer tipo de cenário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou um estoque volumoso de vídeos pré-gravados para serem usados em campanha, caso sua prisão ilegal se prolongue por mais algum tempo antes das eleições de 2018; os vídeos, pré-produzidos pelo fotógrafo Ricardo Stuckert, ainda estão sob sigilo e devem ser desovados à medida em que a campanha se inicie oficialmente; o ex-presidente, demonstra, assim, estar de posse de sua candidatura, contando com o fato de que a ausência física presente em vídeo pode exercer um poder de persuasão ainda mais intenso que as habituais e protocolares edições de campanhas políticas tradicionais (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Demonstrando ter o domínio das estratégias desenhadas para todo e qualquer tipo de cenário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou um estoque volumoso de vídeos pré-gravados para serem usados em campanha, caso sua prisão ilegal se prolongue por mais algum tempo antes das eleições de 2018. Os vídeos, pré-produzidos pelo fotógrafo Ricardo Stuckert, ainda estão sob sigilo e devem ser desovados à medida em que a campanha se inicie oficialmente. O ex-presidente, demonstra, assim, estar de posse de sua candidatura, contando com o fato de que a ausência física presente em vídeo pode exercer um poder de persuasão ainda mais intenso que as habituais e protocolares edições de campanhas políticas tradicionais.

“Entre os temas [dos vídeos], estão a defesa de seu legado e inocência, o enaltecimento das realizações dos governos do PT, com ênfase nos programas sociais, e o enfrentamento de sua situação judicial, que o petista classifica como "injusta". Pouca gente teve acesso ao conteúdo dos vídeos, mas dirigentes afirmam que o partido já está se organizando para fazer a divulgação das peças, junto com imagens de arquivo - que foram filmadas antes da prisão.

O início da propaganda eleitoral, com permissão para distribuir material gráfico e fazer divulgações na internet, é 16 de agosto, logo após o prazo final para registro dos candidatos. Os petistas acreditam que, pelo menos até meados de setembro, será possível manter a candidatura de Lula à Presidência da República. No rádio e na TV, a propaganda eleitoral gratuita começa em 31 de agosto e, no cálculo dos mais otimistas, caso a Justiça Eleitoral torne Lula inelegível em setembro, vídeos com temáticas gerais —como seu legado político e econômico— poderiam também ser utilizados pelo nome que deverá substituí-lo nas urnas.

Leia mais aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247