Maia avisa que Bolsonaro pode ser responsabilizado se adotar medidas contrárias à OMS

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (6) à Rede Globo que Jair Bolsonaro pode ser responsabilizado por ações que contrariem determinações da Organização Mundial de Saúde (OMS) no que diz respeito à pandemia do coronavírus.

Maia: 'sistema privado não investe em ditaduras'
Maia: 'sistema privado não investe em ditaduras' (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em meio ao clima tenso que ronda Brasília, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou  à TV Globo que Bolsonaro será responsabilizado caso venha a decidir por medidas que contrariem orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) frente à pandemia do coronavírus.

A reportagem do portal G1 destaca que "desde que reconheceu a pandemia, a OMS passou a defender, entre outras medidas, o isolamento social. O Ministério da Saúde também orienta o isolamento, mas Bolsonaro defende o fim do "confinamento em massa" e a reabertura do comércio."

Rodrigo Maia disse: "responsabilizado já se pode do ponto de vista das inúmeras entrevistas onde ele estimula o fim do isolamento sem nenhum embasamento científico, sem nenhum embasamento técnico. Agora, quando ele assina um decreto, quando o governo faz uma defesa formal no Supremo na linha contrária do que todos estão defendendo, do que a OMS está defendendo, é claro que, a partir daí, a situação fica muito diferente e fica muito mais concreta."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email