Mais do mesmo: Bolsonaro quer manter nomeados de Temer na Fazenda

Em mais uma mostra de sua proximidade com o governo Michel Temer, membros da campanha do candidato de extrema direita à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), sondaram secretários da Fazenda para permanecerem no time em seu eventual governo, mas apenas o atual secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, deixou a porta aberta para a possibilidade; em julho, o guru econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, já havia indicado que poderia manter alguns integrantes da atual equipe econômica de Temer

Mais do mesmo: Bolsonaro quer manter nomeados de Temer na Fazenda
Mais do mesmo: Bolsonaro quer manter nomeados de Temer na Fazenda (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marcela Ayres, Reuters - A equipe do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) sondou secretários da Fazenda para permanecerem no time em seu eventual governo, mas apenas o atual secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, deixou a porta aberta para a possibilidade, disse à Reuters uma fonte com conhecimento do assunto.

Bolsonaro, na sede da PF no Rio de Janeiro 17/10/2018 REUTERS/Ricardo Moraes
Também foram convidados o secretário de Política Econômica, Fabio Kanczuk, e o chefe da assessoria especial do ministro, Marcos Mendes, segundo a fonte, que falou em condição de anonimato.

Kanczuk, inclusive, deixará a Fazenda rumo ao Banco Mundial, o que deve ser anunciado nesta semana. O secretário cumprirá a partir desta terça-feira suas últimas agendas em São Paulo e então entregará o cargo.

Em seu lugar ficará o atual secretário de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência, João Manoel Pinho de Mello, que acumulará as duas funções.

Procurada, a Fazenda informou que não comentaria o assunto.

Em julho, o guru econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, já havia indicado à Reuters que poderia manter alguns integrantes da atual equipe econômica do governo do presidente Michel Temer, elogiando Mansueto e o atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn.

No fim de semana, Bolsonaro não descartou a possibilidade de manter Goldfajn à frente da autoridade monetária, reforçando que a indicação para o BC será feita junto com Guedes, seu escolhido para ser ministro da Fazenda. Sobre a permanência ou não de Ilan no BC ainda não há definição, segundo fontes ouvidas na semana passada pela Reuters.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247