Mais um capítulo na misteriosa facada: Adélio é considerado louco e inimputável

No novo episódio envolvendo o autor da facada em Jair Bolsonaro, contestada por vários setores da sociedade, decisão do juiz federal Bruno Savino, da 3ª vara da Justiça Federal de Juiz de Fora, confirmou nesta segunda-feira, 27, que exames feitos em Adélio Bispo comprovam que ele tem Transtorno Delirante Persistente e é inimputável, ou seja, não pode ser punido criminalmente; decisão indica que, em caso de condenação, Adélio ficará em um manicômio judiciário e não em um presídio comum

Mais um capítulo na misteriosa facada: Adélio é considerado louco e inimputável
Mais um capítulo na misteriosa facada: Adélio é considerado louco e inimputável (Foto: RICARDO MORAES)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz federal Bruno Savino, da 3ª vara da Justiça Federal de Juiz de Fora, afirmou que Adélio Bispo de Oliveira, autor da facada contra o então candidato Jair Bolsonaro, tem Transtorno Delirante Persistente e é inimputável, ou seja, não pode ser punido criminalmente.

De acordo com reportagem do G1, a decisão do juiz indica que, em caso de condenação, Adélio ficará em um manicômio judiciário e não em um presídio comum.

Adélio está preso preventivamente num Presídio Federal de Campo Grande (MS). A defesa dele informa que o presídio tem estrutura para o tratamento adequado da doença.

A defesa do presidente Jair Bolsonaro deve se pronunciar sobre as conclusões do Ministério Público Federal, confirmadas pelo juiz. Um médico psiquiatra, indicado por advogados de Bolsonaro, foi autorizado a entrevistar Adelio.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247