Manuela enquadra Bretas por chamar militares

A pré-candidata à Presidência da República Manuela D'Ávila (PCdoB) criticou o juiz federal Marcelo Bretas que defendeu a intervenção das Forças Armadas para encerrar a paralisação nacional dos caminhoneiros; "Esse juiz tuiteiro recentemente disse q a saída para o país não estava nos "agentes públicos provisórios". Agora ele clama pelas Forças Armadas. Agente público provisório, traduzindo, é aquele que é eleito pelo povo democraticamente, q tem o seu poder legitimado pelas eleições", postou Manuela em sua conta no Twitter

Manuela D'Ávila 
Manuela D'Ávila  (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A pré-candidata à Presidência da República Manuela D'Ávila (PCdoB) criticou o juiz federal Marcelo Bretas que defendeu a intervenção das Forças Armadas para encerrar a paralisação nacional dos caminhoneiros. "Esse juiz tuiteiro recentemente disse q a saída para o país não estava nos "agentes públicos provisórios". Agora ele clama pelas Forças Armadas. Agente público provisório, traduzindo, é aquele que é eleito pelo povo democraticamente, q tem o seu poder legitimado pelas eleições", postou Manuela em sua conta no Twitter.

Mais cedo, Bretas havia postado que "as Forças Armadas são instituições nacionais permanentes e regulares, e destinam-se á defesa da Pátria (Art. 142, CF),s ejam quais forem os inimigos do Brasil.

Ainda segundo Manuela, "a referência a "sejam quais forem os inimigos do Brasil" parece remeter à velha tese dos inimigos internos. Crescem os apelos autoritários.É preciso mobilizar as forças democráticas e mostrar que não há saída para o Brasil que não passe por eleições limpas e pelo voto popular".

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247