Marco Aurélio: “Mandetta é merecedor de todos os nossos aplausos”

Ministro do STF declarou que gostaria de ter “um presidente que estivesse na linha de frente, incentivando as boas práticas, mas não é isso o que temos visto”, e elogiou o comportamento pedagógico do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Ministro Marco Aurélio e ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
Ministro Marco Aurélio e ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (Foto: Carlos Moura/SCO/STF | Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello lamentou a existência de atritos entre Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta. O ministro da Saúde, Mandetta, defende uma opinião unanime em entrevista concedida ao Fantástico da Globo neste domingo (12). As sessões presenciais na suprema corte estão suspensas desde o início da crise do coronavírus. A informação desta quarta-feira (15) é da revista Veja

“O que está acontecendo é péssimo e traz muita insegurança para a população brasileira. Eu, enquanto cidadão, sigo as orientações técnicas que vêm do ministério”, disse Marco Aurélio Mello ao Radar.

Ressaltando a ocorrência de “leves pecados” de Mandetta, Marco Aurélio elogiou a atuação pedagógica do ministro da Saúde, e acrescentou que “o ministro é merecedor de todos os nossos aplausos”.

O ministro do STF considera o comportamento de Jair Bolsonaro diante da pandemia como “lamentável”, e reforçou que gostaria de ter “um presidente que estivesse na linha de frente, incentivando as boas práticas, mas não é isso o que temos visto”.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247