MBL se une a ruralistas e evangélicos

MBL (Movimento Brasil Livre), um dos principais organizadores de atos contrários o governo Dilma Rousseff, se uniu aos ruralistas e aos evangélicos para propor uma "agenda liberal" a um eventual governo Temer; a união dos grupos foi formalizada pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária), liderada por José Mário Schreiner,  que tem circulado com Kim Kataguiri, líder do MBL; "Começamos um trabalho com os parlamentares, especialmente com os indecisos, apoiando os movimentos de rua, principalmente o MBL, e isso culminou com o resultado expressivo a favor do impeachment, de 367 votos", disse Schreiner

MBL (Movimento Brasil Livre), um dos principais organizadores de atos contrários o governo Dilma Rousseff, se uniu aos ruralistas e aos evangélicos para propor uma "agenda liberal" a um eventual governo Temer; a união dos grupos foi formalizada pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária), liderada por José Mário Schreiner,  que tem circulado com Kim Kataguiri, líder do MBL; "Começamos um trabalho com os parlamentares, especialmente com os indecisos, apoiando os movimentos de rua, principalmente o MBL, e isso culminou com o resultado expressivo a favor do impeachment, de 367 votos", disse Schreiner
MBL (Movimento Brasil Livre), um dos principais organizadores de atos contrários o governo Dilma Rousseff, se uniu aos ruralistas e aos evangélicos para propor uma "agenda liberal" a um eventual governo Temer; a união dos grupos foi formalizada pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária), liderada por José Mário Schreiner,  que tem circulado com Kim Kataguiri, líder do MBL; "Começamos um trabalho com os parlamentares, especialmente com os indecisos, apoiando os movimentos de rua, principalmente o MBL, e isso culminou com o resultado expressivo a favor do impeachment, de 367 votos", disse Schreiner (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O MBL (Movimento Brasil Livre), um dos principais organizadores de atos contrários o governo Dilma Rousseff, se uniu a dois grupos favoráveis ao impeachment no Congresso para elaborar uma "agenda liberal" para um novo governo: os ruralistas e os evangélicos.

"Existe uma agenda que tem que ser adotada para o Brasil sair da crise e a gente vai ter que ser muito rígido", afirma Renan Santos, um dos líderes do MBL, em entrevista à ‘Folha de S. Paulo’. Ele criticou “um centrão fisiológico que vai querer empurrar o país para ficar como está" num eventual governo Temer.

A união dos grupos foi formalizada pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária), liderada por José Mário Schreiner, vice-presidente diretor da CNA e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás. Kim Kataguiri, líder do MBL, se reuniu recentemente com Schreiner.

"Começamos um trabalho com os parlamentares, especialmente com os indecisos, apoiando os movimentos de rua, principalmente o MBL, e isso culminou com o resultado expressivo a favor do impeachment, de 367 votos", disse Schreiner (leia aqui).

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email