Mello diz esperar “dias melhores” no Supremo

Após absolvição de oito réus pelo crime de formação de quadrilha na Ação Penal 470, ministro Marco Aurélio Mello afirma: "agora, vamos ver, avançar futuramente e buscar dias melhores"; na última quinta-feira, ele defendeu a existência de quadrilha, mas com penas menores às sugeridas pelo relator, Joaquim Barbosa; segundo ele, absolvição "mostra que estamos acostumados a perceber o crime de formação de quadrilha apenas para estelionatários, assaltantes, homicidas ou grupos de extermínio, mas não de criminosos do colarinho branco"; com a decisão que reviu a condenação, tomada em 2012 e que condenou os oito pelo mesmo crime, diz Mello, "o Supremo deu o dito pelo não dito"

Após absolvição de oito réus pelo crime de formação de quadrilha na Ação Penal 470, ministro Marco Aurélio Mello afirma: "agora, vamos ver, avançar futuramente e buscar dias melhores"; na última quinta-feira, ele defendeu a existência de quadrilha, mas com penas menores às sugeridas pelo relator, Joaquim Barbosa; segundo ele, absolvição "mostra que estamos acostumados a perceber o crime de formação de quadrilha apenas para estelionatários, assaltantes, homicidas ou grupos de extermínio, mas não de criminosos do colarinho branco"; com a decisão que reviu a condenação, tomada em 2012 e que condenou os oito pelo mesmo crime, diz Mello, "o Supremo deu o dito pelo não dito"
Após absolvição de oito réus pelo crime de formação de quadrilha na Ação Penal 470, ministro Marco Aurélio Mello afirma: "agora, vamos ver, avançar futuramente e buscar dias melhores"; na última quinta-feira, ele defendeu a existência de quadrilha, mas com penas menores às sugeridas pelo relator, Joaquim Barbosa; segundo ele, absolvição "mostra que estamos acostumados a perceber o crime de formação de quadrilha apenas para estelionatários, assaltantes, homicidas ou grupos de extermínio, mas não de criminosos do colarinho branco"; com a decisão que reviu a condenação, tomada em 2012 e que condenou os oito pelo mesmo crime, diz Mello, "o Supremo deu o dito pelo não dito" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A decisão de absolver oito réus da Ação Penal 470 pelo crime de formação de quadrilha "mostra que estamos acostumados a perceber o crime de formação de quadrilha apenas para estelionatários, assaltantes, homicidas ou grupos de extermínio, mas não de criminosos do colarinho branco", declarou o ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello.

Na sessão da última quinta-feira 27, Marco Aurélio votou pela existência do crime de quadrilha, mas em defesa da diminuição das penas, uma linha de pensamento diferente dos dois grupos do colegiado, que ou absolveram os réus ou condenaram. A votação final ficou em 6 a 5 pela absolvição. Na opinião do ministro, com a revisão do julgamento para o crime, "o Supremo deu o dito pelo não dito".

As declarações foram dadas em entrevista ao jornal O Globo, publicada neste sábado 1. O ministro defendeu que o julgamento antes da apresentação dos embargos infringentes, que resultou na condenação, foi feito com base em provas. "Não julgamos no campo do direito alternativo, muito menos para condenar um ser humano! Julgamos o que consideramos realmente demonstrado, em cima dos autos, das provas produzidas no processo pelo Ministério Público", disse. "Agora, vamos ver, avançar futuramente e buscar dias melhores", acrescentou.

Leia a íntegra aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email