Mello Franco: Temer esbraveja, mas não explica transações suspeitas

Para o jornalista Bernardo Mello Franco, o pronunciamento "enfezado" feito por Michel Temer para rebater a suspeita de que usou imóveis em nome da família para lavar dinheiro de propina acabou dando "mais visibilidade às suspeitas"; Temer ainda cometeu um ato falho no discurso. "Eu não posso sair daqui da Presidência, não sei quando, para carregar essa pecha irresponsável", esbravejou. Se não sabe quando, é porque deve desconfiar que o escândalo tem potencial para encurtar o seu mandato", ressalta

Para o jornalista Bernardo Mello Franco, o pronunciamento "enfezado" feito por Michel Temer para rebater a suspeita de que usou imóveis em nome da família para lavar dinheiro de propina acabou dando "mais visibilidade às suspeitas"; Temer ainda cometeu um ato falho no discurso. "Eu não posso sair daqui da Presidência, não sei quando, para carregar essa pecha irresponsável", esbravejou. Se não sabe quando, é porque deve desconfiar que o escândalo tem potencial para encurtar o seu mandato", ressalta
Para o jornalista Bernardo Mello Franco, o pronunciamento "enfezado" feito por Michel Temer para rebater a suspeita de que usou imóveis em nome da família para lavar dinheiro de propina acabou dando "mais visibilidade às suspeitas"; Temer ainda cometeu um ato falho no discurso. "Eu não posso sair daqui da Presidência, não sei quando, para carregar essa pecha irresponsável", esbravejou. Se não sabe quando, é porque deve desconfiar que o escândalo tem potencial para encurtar o seu mandato", ressalta (Foto: Paulo Emílio)

Para o jornalista Bernardo Mello Franco, o pronunciamento "enfezado" feito por Michel Temer para rebater a suspeita de que usou imóveis em nome da família para lavar dinheiro de propina acabou dando "mais visibilidade às suspeitas", diz.

"Uma testemunha já afirmou que a reforma da casa de Maristela Temer, filha do presidente, foi paga em dinheiro vivo pela mulher de Lima. O Planalto confirmou que uma casa em nome de Marcela Temer, a primeira-dama, foi comprada de Yunes. Temer evitou citar o nome dos dois amigos no pronunciamento. Também não explicou de onde saiu o dinheiro investido nos imóveis. Preferiu reclamar, como sempre, do vazamento de informações à imprensa", ressalta o jornalista. 

"Temer ainda cometeu um ato falho no discurso. "Eu não posso sair daqui da Presidência, não sei quando, para carregar essa pecha irresponsável", esbravejou. Se não sabe quando, é porque deve desconfiar que o escândalo tem potencial para encurtar o seu mandato", avalia.

Leia a íntegra da análise. 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247