Merrill Lynch ajudou doleiro a trazer US$ 3,5 mi ao Brasil

Em acordo de delação premiada, advogado Carlos Alberto Pereira da Costa, laranja de Alberto Youssef, afirma que o banco americano simulou empréstimo para uma empresa controlada pelo doleiro, a GFD Investimentos; operação realizada em 2008 teria sido sugerida por Júlio Lage, gerente do Merrill Lynch em Nova York

Em acordo de delação premiada, advogado Carlos Alberto Pereira da Costa, laranja de Alberto Youssef, afirma que o banco americano simulou empréstimo para uma empresa controlada pelo doleiro, a GFD Investimentos; operação realizada em 2008 teria sido sugerida por Júlio Lage, gerente do Merrill Lynch em Nova York
Em acordo de delação premiada, advogado Carlos Alberto Pereira da Costa, laranja de Alberto Youssef, afirma que o banco americano simulou empréstimo para uma empresa controlada pelo doleiro, a GFD Investimentos; operação realizada em 2008 teria sido sugerida por Júlio Lage, gerente do Merrill Lynch em Nova York (Foto: Roberta Namour)

247 - O banco americano Merrill Lynch organizou uma operação simulada para ajudar o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal, a trazer para o Brasil, em 2008, US$ 3,5 milhões. A informação foi revelada em depoimento do advogado Carlos Alberto Pereira da Costa.

Em acordo de delação premiada, o laranja de Youssef em uma empresa no Brasil e em duas nos Estados Unidos afirma que, para disfarçar a origem do dinheiro, o banco abriu uma linha de crédito para uma empresa controlada pelo doleiro, a GFD Investimentos.

A operação teria sido sugerida por Júlio Lage, gerente do Merrill Lynch em Nova York. Lage também aparece nas investigações do chamado “mensalão”, por uma das secretárias do publicitário Marcos Valério.

Leia aqui reportagem de Mario Cesar Carvalho sobre o assunto.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247