Merval, que apoiou golpe contra Dilma, compara situação de Bolsonaro a impeachment de Nixon nos EUA

O jornalista Merval Pereira, do sistema Globo, avalia que se for confirmado que apagaram o vídeo da reunião de Bolsonaro com o MInistério - que pode provar a tentativa de interferência do inquilino do Planalto na Polícia Federal - fica claro que há alguma coisa a esconder e aí configura-se um crime óbvio. Ele relembra que um episódio parecido resultou no impeachment do ex-presidente Nixon dos EUA

Merval Pereira e Jair Bolsonaro
Merval Pereira e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução | Carolina Antunes/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Se é verdade que o procurador geral da República Augusto Aras disse que tende a arquivar o inquérito, porque o depoimento do ex-ministro Sergio Moro não acusou Bolsonaro de nenhum crime, é um absurdo", afirma o jornalista Merval Pereira.  

"Cabe ao procurador investigar e não a Moro acusar. Além das provas que serão ou não investigadas pelos promotores, há o fato do vídeo citado por Moro da reunião ministerial do dia 22, quando Bolsonaro teria ameaçado o ministro de demissão por não dar informações sobre a PF e o general Heleno explicado que aquele tipo de informação não poderia ser dada". 

O jornalista compara o possível crime cometido no Palácio do Planalto de apagamento do vídeo requisitado pelo STF com um episódio do impeachment do ex-presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon: "se confirmada a hipótese de o vídeo ter sido apagado, fica claro que há alguma coisa a esconder e aí configura-se um crime óbvio. Foi assim que terminou o caso Nixon, no Watergate, quando parte da gravação foi deletada pela secretária do então presidente americano".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247