Militar foi treinado para guerra, não INSS, diz especialista em previdência

Para Adriane Bramante, presidente do IBDP, contratar ou convocar até 7.000 militares de reserva para trabalhar no atendimento nas agências do INSS, "será um investimento inútil"

(Foto: PR | Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com 1,3 milhão de pedidos ao INSS sem análise há mais de 45 dias, prazo legal para uma resposta, o governo anunciou o plano de contratar ou convocar até 7.000 militares de reserva para trabalhar no atendimento nas agências, liberando servidores para análise de pedidos.

Para Adriane Bramante, presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), a contratação de militares temporariamente será um investimento inútil, porque o problema do INSS é estrutural. Ela afirma, em entrevista concedida ao Portal UOL,  que Previdência é um assunto complexo e, mesmo para o atendimento, é necessário um treinamento adequado.

"É muito complicado. Para ter uma ideia, a instrução normativa do INSS tem 700 artigos. Como é que ensina, treina essas pessoas? Alguém que foi treinado para a segurança do país, para cuidar de milícias e de guerra. Eles não foram treinados para isso", afirma.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247