Ministra da Agricultura diverge de Guedes e afirma que as pessoas não precisam desmatar para comer

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, fez a avaliação após o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmar em Davos que "as pessoas destroem o meio ambiente porque precisam comer". De acordo com a titular da pasta, a agricultura não pode ser apontada como a vilã dos problemas ambientais

Tereza Cristina e Paulo Guedes
Tereza Cristina e Paulo Guedes (Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, divergiu nesta quinta-feira (23) do ministro da Economia, Paulo Guedes, que afirmou em Davos que "as pessoas destroem o meio ambiente porque precisam comer". “As pessoas não precisam desmatar para comer, você pode aumentar a produtividade por área, essa é uma das vantagens comparativas do Brasil”, disse a ministra em Delhi ao jornal Folha de S.Paulo.

De acordo com a titular da pasta, apenas 2,3% do território da Amazônia são usados para produção agrícola e 10,5% para pecuária. Ela disse que agricultura não pode ser apontada como a vilã dos problemas ambientais.

“As pessoas estão surdas em relação ao Brasil; existe uma opinião formada de que a gente queima, então mesmo a gente mostrando números, muitas vezes não somos ouvidos. O Brasil tem problemas, mas não é essa calamidade toda”, afirmou.

Segundo Tereza, “na Europa, existe uma má vontade com o Brasil , o Brasil é a bola da vez, como se a gente não fizesse nada certo, o que não é verdade”. “Essa imagem tem interesses, é o medo que agricultores de muitos países da Europa têm do Brasil, que aumentou com o acordo EU Mercosul.”

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247