Ministro das Comunicações minimiza agressão de Bolsonaro a jornalista e ataca 'torcedores do caos'

Apesar da forte reação e da péssima repercussão na opinião pública e dentro do próprio governo da ameaça que Bolsonaro fez no último domingo de agredir fisicamente um jornalista, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, acha que o assunto está superado e os 'torcedores do caos' foram derrotados

Fabio Faria toma posse como ministro das Comunicações
Fabio Faria toma posse como ministro das Comunicações (Foto: Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Conversei agora com o presidente. Aviso aos torcedores do caos e do conflito diário: perderam. A paz continua", escreveu Faria nas redes sociais.

O ataque de Bolsonaro ao jornalista foi avaliado como desastroso tanto por integrantes da cúpula militar como da equipe econômica. Mas o ministro das Comunicações procura passar a impressão de que está tudo normal.

A avaliação tanto de militares como da equipe econômica é que Bolsonaro criou sem motivo uma pauta negativa contra a sua própria gestão.  Na opinião de assessores, o ideal é que o presidente vá a público pedir desculpas, informa a Folha de S.Paulo.

A prática recorrente de atacar a imprensa teve uma pausa durante cerca de dois meses, mas foi revivida neste domingo. 

Sempre que se vê diante de questões complexas e denúncias, Bolsonaro reage agressivamente, como agora, confrontado com a entrega de cheques no total de R$ 89 mil à primeira dama Michelle Bolsonaro por Fabrício Queiroz, amigo do clã presidencial, ex-assessor de seu filho Flávio, que manejava dinheiro desviado no esquema das rachadinhas quando era deputado estadual no Rio de Janeiro. 

Bolsonaro também reagiu muitas vezes diante de denúncias de corrupção em seu governo e fraudes eleitorais praticadas durante a campanha eleitoral de 2018. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247