Moniz Bandeira diz que Judas é o novo símbolo do Brasil

“O paradigma que é criado para o povo brasileiro: o delator. A deleção é uma vergonha. A delação premiada é também uma forma de corrupção. O juiz ameaça o indivíduo com anos de prisão e força o preso a dizer o que ele (juiz) quer. Quebra o caráter da pessoa. A deleção como recompensa é uma forma de corrupção. Judas tornou-se o símbolo do Brasil”, diz o cientista político Luiz Alberto Moniz Bandeira, em entrevista a Wellington Calasans, colunista do Cafezinho

SAO PAULO 05/05/06 ECONOMIA OE - Professor Luiz Alberto Moniz Bandeira, titular da Universidade de Brasília (UnB). FOTO DIVULGACAO
SAO PAULO 05/05/06 ECONOMIA OE - Professor Luiz Alberto Moniz Bandeira, titular da Universidade de Brasília (UnB). FOTO DIVULGACAO (Foto: Leonardo Attuch)

Por Wellington Calasans, Colunista do Cafezinho, na Suécia

Skype, chamada com vídeo. Obrigação de atender, pois do outro lado, na Alemanha, estava um dos mais conceituados escritores brasileiros, já indicado ao Prêmio Nobel de Literatura, o cientista político Luiz Alberto Moniz Bandeira, para o qual tenho a honra de colaborar na atualização do seu livro “O Ano Vermelho”, que será relançado a propósito dos cem anos da revolução russa.

– Wellington, você sabe que estou sem tempo (por causa da necessidade de entregar o livro para a editora), mas é preciso publicar um artigo no Cafezinho sobre essa bagunça no Brasil. Explica o Prof. Moniz.

Preparo uma página em branco e começo a digitar em uma velocidade jamais atingida na minha história de digitador. O Prof. Moniz estava determinado, o texto estava ensaiado na sua cabeça. Tive tempo de confirmar algumas formulações do pensamento, mas aqui vai, entre aspas, o esboço que me foi ditado já como uma arte pronta.

“Farsa! O Brasil tem um Congresso e um Presidente que atendem a outros interesses. Trabalham contra o povo! E os deputados são comprometidos com a corrupção”.

“Não se faz reformas constitucionais em períodos de crise. O Referendo Revogatório de Requião (Senador Roberto Requião, PMDB - PR) é o único caminho após eleições diretas”.

“Querem impor reformas ao povo para os quais o presidente não recebeu mandato. O Congresso também não foi eleito com poderes constituintes e a situação já chegou a tal ponto que o PGR mancomunado com o indiciado cria um ambiente para forjar provas contra terceiros”.

“Henrique Meirelles é o representante do capital financeiro e impõe uma ditadura aberta, sob a capa de uma democracia visivelmente inexistente. Não há democracia sem povo”.

“A Polícia Federal é desobediente! O Ministério Público é aberto ao conluio com os EUA que foi permitido desde os tempos de FHC”. O PGR é o presidente de fato! Não é o de direito, mas é o de fato”.

“Moro é um ditador. A Delação Premiada é a desmoralização do indivíduo. A prisão coercitiva é 'premiada' com delação sob chantagem e tortura. A legalidade no Brasil é uma farsa. Não existe Lei e nem Constituição”.

“O paradigma que é criado para o povo brasileiro: o delator. A deleção é uma vergonha. A delação premiada é também uma forma de corrupção. O juiz ameaça o indivíduo com anos de prisão e força o preso a dizer o que ele (juiz) quer. Quebra o caráter da pessoa. A deleção como recompensa é uma forma de corrupção. Judas tornou-se o símbolo do Brasil”.

“A imprensa também está comprometida com o capital financeiro e isso é a negação da democracia. O Brasil é um mito. O Estado desapareceu. Cada órgão age como autônomo”.

Como não trazer estes o original dos comentários para o leitor do Cafezinho? O debate político está aberto e é ele que fortalece o sentimento democrático. A democracia sempre sai fortalecida quando tentam matá-la. A indignação do cientista Moniz Bandeira é a mesma que aflora em cada brasileiro e esta é a boa notícia.

Confira no Cafezinho o vídeo da entrevista.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247