Moraes pede à FGV estudo que aponta bolsonaristas como divulgadores de fake news nas eleições de 2020

O ministro do STF Alexandre de Moraes solicitou à Fundação Getúlio Vargas (FGV) um estudo com o objetivo de apontar os principais divulgadores de fake news sobre a eleição de 2020 em que o bolsonarismo saiu derrotado

Ministro Alexandre de Moraes
Ministro Alexandre de Moraes (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No âmbito do inquérito das fake news, o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes solicitou à Fundação Getúlio Vargas (FGV) um estudo feito sobre os principais divulgadores de informações falsas acerca da fraude eleitoral em 2020. O pedido feito pelo ministro foi publicado pela coluna Painel, que já havia dado a informação de que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi um dos principais impulsionadores nas redes sociais alegando fraude eleitoral em 2020. 

Outros parlamentares também estão entre os que mais impulsionaram informação falsa - Carla Zambelli (SP), Bia Kicis (DF), Filipe Barros (PR) e Daniel Silveira (RJ), de acordo com levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas. 

A lista tem, ainda, nomes como os blogueiros e influenciadores bolsonaristas Allan dos Santos, Leandro Ruschel e Bernardo Küster.

Gabinete do ódio

Jair Bolsonaro resgatou na última semana o "gabinete do ódio" para rebater críticas pela demora quanto ao início da vacinação contra o coronavírus no Brasil

Sob orientação dos assessores que compõem o grupo, ele criou um canal de divulgação de informações no Telegram. Pediu a seus assessores que se "antecipassem" a um possível movimento interno para banir suas contas em plataformas como Twitter, Facebook e Instagram.

Auxiliares de Bolsonaro também apresentaram a sugestão de estimular seus apoiadores a usarem a Parler, rede social com viés ideológico de direita.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email