Moro condenou Lula sem que Leo Pinheiro mostrasse provas, diz defesa

Preferido pela maioria da população brasileira para retornar à Presidência em 2018, o ex-presidente Lula foi condenado pelo juiz Sérgio Moro antes mesmo do empresário Léo Pinheiro, da OAS, apresentar provas das acusações contra o ex-presidente; advogados de defesa do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins juntaram aos autos de segunda instância o parecer do então procurador-geral da República Rodrigo Janot, de 22 de agosto, que deixa claro que a condenação do ex-presidente Lula jamais poderia ter se baseado nas palavras do corréu Leo Pinheiro; "Lula foi condenado baseado em palavras, desacompanhadas de qualquer comprovação, como consta do parecer do então procurador-geral", diz a defesa de Lula

Preferido pela maioria da população brasileira para retornar à Presidência em 2018, o ex-presidente Lula foi condenado pelo juiz Sérgio Moro antes mesmo do empresário Léo Pinheiro, da OAS, apresentar provas das acusações contra o ex-presidente; advogados de defesa do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins juntaram aos autos de segunda instância o parecer do então procurador-geral da República Rodrigo Janot, de 22 de agosto, que deixa claro que a condenação do ex-presidente Lula jamais poderia ter se baseado nas palavras do corréu Leo Pinheiro; "Lula foi condenado baseado em palavras, desacompanhadas de qualquer comprovação, como consta do parecer do então procurador-geral", diz a defesa de Lula
Preferido pela maioria da população brasileira para retornar à Presidência em 2018, o ex-presidente Lula foi condenado pelo juiz Sérgio Moro antes mesmo do empresário Léo Pinheiro, da OAS, apresentar provas das acusações contra o ex-presidente; advogados de defesa do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins juntaram aos autos de segunda instância o parecer do então procurador-geral da República Rodrigo Janot, de 22 de agosto, que deixa claro que a condenação do ex-presidente Lula jamais poderia ter se baseado nas palavras do corréu Leo Pinheiro; "Lula foi condenado baseado em palavras, desacompanhadas de qualquer comprovação, como consta do parecer do então procurador-geral", diz a defesa de Lula (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os advogados de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins, afirmaram nesta terça-feira, 19, que o juiz federal Sérgio Moro condenou Lula a nove anos e meio de prisão antes mesmo do empresário Léo Pinheiro, da OAS, apresentar provas das acusações contra o ex-presidente.  

Os advogados de Lula dizem que a afirmação é feita inclusive pelo procurador-geral do Ministério Público Federal. O parecer do procurador corrobora a tese de falta de provas defendida pela defesa nas Razões de Apelação. "Não há nenhum elemento de prova obtido a partir dessas tratativas preliminares já documentados em qualquer procedimento investigativo que seja", afirmou Rodrigo Janot.

Leia na íntegra a nota da defesa de Lula: 

Os advogados de defesa do ex-presidente Lula Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins juntaram aos autos de segunda instância o parecer do procurador-geral da República Rodrigo Janot Monteiro de Barros, assinado no dia 22 de agosto de 2017, porque o documento deixa claro que a condenação do ex-presidente Lula jamais poderia ter se baseado nas palavras do corréu Leo Pinheiro. Lula foi condenado baseado em palavras, desacompanhadas de qualquer comprovação, como consta do parecer do então procurador-geral.

Na sentença do juiz Sérgio Moro em 12 de julho de 2017, ele afirmou: “Ainda que tardia e sem o acordo de colaboração, é forçoso reconhecer que o condenado José Adelmário Pinheiro Filho (Leo Pinheiro) contribuiu nesta ação penal para o esclarecimento da verdade, prestando depoimento e fornecendo documentos”, escreveu.

“Envolvendo o caso crimes praticados pelo mais alto mandatário da República, não é possível ignorar a relevância do depoimento de José Adelmário Pinheiro Filho, sendo seu depoimento consistente com o restante do quadro probatório, especialmente com as provas documentais produzidas e tendo ele, o depoimento, relevância probatória para o julgamento, justifica-se a concessão a ele de benefícios legais” .

No parecer de 22 de agosto de 2017, o procurador-geral Rodrigo Janot afirmou: “Eventuais tratativas preliminares não interessam à defesa de qualquer acusado – aí incluído o reclamante [Lula] -, tanto porque, neste momento, ainda não se tem certeza acerca do fornecimento de informações incriminadoras, quanto pela possibilidade de que essas tratativas subsidiem a realização de diligências investigativas, das quais o sigilo seja condição necessária de exequibilidade e eficácia”.

Ou seja, o juiz Sérgio Moro condenou Lula sem que Leo Pinheiro tivesse apresentado qualquer prova incriminatória, como afirma o procurador-geral do Ministério Público Federal. O parecer do procurador corrobora a tese de falta de provas defendida pela defesa nas Razões de Apelação. “Não há nenhum elemento de prova obtido a partir dessas tratativas preliminares já documentados em qualquer procedimento investigativo que seja”, afirmou Rodrigo Janot.

Veja a íntegra dos documentos:

 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247