"Moro e Dallagnol violaram a soberania nacional", diz Rui Falcão

É “estarrecedora” a subalternidade dos procuradores brasileiros diante dos agentes estadunidenses, que revelam ainda o conhecimento de Moro sobre as tratativas com agentes estrangeiros, aponta representação enviada ao STF

Presidente do PT, Rui Falcão quer Lula no comando do partido
Presidente do PT, Rui Falcão quer Lula no comando do partido (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Plínio Teodoro, na revista Fórum Em representação protocolada na noite desta sexta-feira (5) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado Rui Falcão (PT-SP) pede ao Ministro Ricardo Lewandowski o compartilhamento com órgãos da Câmara Federal dos dados da operação Spoofing, com a transcrição das conversas do ex-juiz Sergio Moro – que se tornaria “super” ministro da Justiça de Jair Bolsonaro – com procuradores da Lava Jato.

Na petição, assinada pelos advogados Marco Aurélio Carvalho, Carol Proner e Fernando Hideo Lacerda, o deputado afirma que as conversas mostram “fortes indícios da prática de atos que afrontaram a soberania nacional, lesaram o patrimônio público brasileiro e atentaram contra o Estado Democrático de Direito”.

“Os diálogos em questão indicam que as atividades da Operação Lava Jato desenvolveram-se mediante uma associação estruturalmente ordenada e composta por agentes públicos, que se valeram da manipulação fraudulenta do sistema de justiça para ocultar a implementação de um projeto político e ideológico de poder, contando com a participação de agentes estrangeiros, cujo propósito aparenta ter sido a violação da soberania nacional, a obtenção de vantagens indevidas, a satisfação de interesses ou sentimentos pessoais e o aniquilamento do Estado de Direito”, diz a peça jurídica, que solicita ainda o compartilhamento dos dados com a “Comissão de Fiscalização Financeira e Controle do Congresso Nacional, a Corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público e a Procuradoria do Tribunal de Contas da União, para avaliação das providências cabíveis, sob pena de irreversível descrédito do sistema de justiça brasileiro”.

Segundo o documento, é “estarrecedora” a subalternidade dos procuradores brasileiros diante dos agentes estadunidenses e suíços que podem ser vistos nos diálogos, que revelam ainda o conhecimento de Moro sobre as tratativas com agentes estrangeiros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email