Moro fez parecer positivo para ex-sócio da Vale e depois foi trabalhar para concorrente

Antes de oficializar a contratação na consultoria Alvarez & Marsal, Sérgio Moro telefonou para a defesa de Benjamin Steinmetz, ex-sócio da Vale em um projeto, e fez parecer positivo. A A&M é administradora judicial da BSGR, empresa do israelense que firmou joint venture com a Vale. Com base no parecer, o empresário foi ao MP-RJ contra a mineradora brasileira

www.brasil247.com - Sérgio Moro
Sérgio Moro (Foto: Reuters)


247 - Três semanas antes de oficializar sua contratação no fim de novembro passado como sócio-diretor da consultoria Alvarez & Marsal (EUA), administradora da recuperação judicial da Odebrecht, o ex-juiz Sérgio Moro telefonou para advogados que representam no Brasil o bilionário israelense Benjamin Steinmetz, ex-sócio da Vale no projeto da mina de Simandou, na Guiné, e fez um parecer positivo.

De acordo com informações do jornal Valor Econômico, em setembro do ano passado, a Alvarez & Marsal passou a ser administradora judicial da BSGR, empresa de Steinmetz que firmou joint venture com a Vale em 2010 para explorar minério de ferro na África. O projeto foi malsucedido. 

Com base no parecer de Moro, o empresário israelense apresentou, no fim do ano passado, uma notícia-crime ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ), para investigar possíveis violações da Vale, seus administradores e executivos sobre suposta omissão de informações ao mercado de capitais. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Moro foi contratado para atuar na área de Disputas e Investigações da Alvarez & Marsal, dois meses depois de a A&M ter sido designada para atuar na recuperação da BSGR.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o advogado Mauro Menezes, ex-presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, "temos uma situação de conflito, já que a Vale é credora da BSGR na recuperação judicial de Guernsey". "Como a A&M presta serviços à Vale, existe um interesse poderoso de uma das clientes da consultoria em relação à recuperação de créditos de uma empresa que está sob a sua administração. O conflito é da A&M", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"O Moro se insere nesta história em uma situação delicada. Já que se pronunciou, por meio de parecer, em conflito que envolve a Vale e a BSGR. As duas são clientes da Alvarez & Marsal, consultoria da qual Moro acabou por se tornar sócio-diretor", acrescentou. 

Steinmetz está envolvido em disputa de US$ 2,5 bilhões com a Vale S.A, que é consequência da dissolução de uma parceria firmada em 2010 pela mineradora com a BSG Resources (BSGR), de Steinmetz. Com o fracasso do projeto, em 2014, a parceria se converteu em litígio que se desdobrou por tribunais mundo afora. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao Judiciário de Guernsey, a BSGR requereu a recuperação judicial porque a Balda Foundation, proprietária integral da BSGR, tem sede no paraíso fiscal localizado no Canal da Mancha. O empresário israelense optou pela recuperação judicial depois que a Vale propôs e venceu, em setembro de 2019, uma arbitragem contra ele na Corte Internacional de Arbitragem de Londres. 

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email