Moro quis ficar com dinheiro da multa da Petrobras, mas foi derrotado

O ex-juiz da Operação Lava Jato, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, tentou levar para seu ministério o dinheiro da multa da Petrobras, mas foi derrotado; ele tentou convencer a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge e o presidente da República, Jair Bolsonaro, mas a verba acabou indo para a Educação

Moro quis ficar com dinheiro da multa da Petrobras, mas foi derrotado
Moro quis ficar com dinheiro da multa da Petrobras, mas foi derrotado
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-juiz da Operação Lava Jato, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, tentou levar para seu ministério o dinheiro da multa da Petrobras, mas foi derrotado. Ele tentou convencer a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge e o presidente da República, Jair Bolsonaro, mas a verba acabou indo para a Educação.

O dinheiro - R$ 2,5 bilhões - é fruto de multas pagas nos Estados Unidos pela Petrobras no âmbito da Lava Jato. A recomendação de destinar o montante à Educação foi de Raquel Dodge e Bolsonaro concordou com a ideia, informa a coluna de Monica Bérgamo na Folha de S.Paulo.

Foi mais uma derrota política do ex-juiz de Curitiba. Na quarta-feira, no seu maior revés, a Câmara dos Deputados decidiu que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) não ficará sob seu controle e sim do Ministério da Economia. Durante o processo de formação do governo Bolsonaro, levar o Coaf para o seu ministério foi uma das condições impostas por Moro para participar da equipe de Bolsonaro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247