Moro vai ouvir Emilio Odebrecht no caso do sítio de Atibaia

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância, ouvirá nos dias 5, 6 e 7 de fevereiro Emilio Odebrecht, diretor da construtora, e Léo Pinheiro no caso do sítio de Atibaia (SP), de acordo com informações publicadas na coluna de Lauro Jardim; trata-se de uma fase final do processo; a expectativa é de que no final de fevereiro seja conhecida a sentença

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância, ouvirá nos dias 5, 6 e 7 de fevereiro Emilio Odebrecht, diretor da construtora, e Léo Pinheiro no caso do sítio de Atibaia (SP), de acordo com informações publicadas na coluna de Lauro Jardim; trata-se de uma fase final do processo; a expectativa é de que no final de fevereiro seja conhecida a sentença
O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância, ouvirá nos dias 5, 6 e 7 de fevereiro Emilio Odebrecht, diretor da construtora, e Léo Pinheiro no caso do sítio de Atibaia (SP), de acordo com informações publicadas na coluna de Lauro Jardim; trata-se de uma fase final do processo; a expectativa é de que no final de fevereiro seja conhecida a sentença (Foto: Leonardo Lucena)

247 - O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância, ouvirá nos dias 5, 6 e 7 de fevereiro Emilio Odebrecht, diretor da construtora, e Léo Pinheiro no caso do sítio de Atibaia (SP), de acordo com informações publicadas na coluna de Lauro Jardim.

Trata-se de uma fase final do processo. A expectativa é de que no final de fevereiro seja conhecida a sentença.

A defesa de Lula havia pedido que o depoimento de 13 delatores da Lava Jato sejam ouvidos novamente na ação sobre o sítio de Atibaia alegando não concordar com a utilização de prova emprestada de outras ações, pois a ação sobre o sítio de Atibaia trata de fatos distintos. 

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o ex-presidente Lula por corrupção e lavagem de dinheiro na ação relacionada ao sítio de Atibaia. Na denúncia, os procuradores alegam que o petista recebeu o benefício de obras no sítio como parte da propina por contratos da Petrobras que somam R$ 155 milhões.

De acordo com os procuradores, o gasto de R$ 1,020 milhão com obras do sítio foram pagos pelas empreiteiras Odebrecht, OAS e Schahin. 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247