Morte de Sérgio Vieira de Mello completa dez anos

Evento com a presença de diplomatas brasileiros e representantes da ONU no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, homenageia o brasileiro em um atentado a bomba no Iraque, em 2003; ele era representante do secretário-geral das Nações Unidas para o Iraque, que havia sido recém-invadido pelos Estados Unidos; outros 21 funcionários do escritório da ONU em Bagdá morreram no atentado

Evento com a presença de diplomatas brasileiros e representantes da ONU no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, homenageia o brasileiro em um atentado a bomba no Iraque, em 2003; ele era representante do secretário-geral das Nações Unidas para o Iraque, que havia sido recém-invadido pelos Estados Unidos; outros 21 funcionários do escritório da ONU em Bagdá morreram no atentado
Evento com a presença de diplomatas brasileiros e representantes da ONU no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, homenageia o brasileiro em um atentado a bomba no Iraque, em 2003; ele era representante do secretário-geral das Nações Unidas para o Iraque, que havia sido recém-invadido pelos Estados Unidos; outros 21 funcionários do escritório da ONU em Bagdá morreram no atentado (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A morte do brasileiro Sérgio Vieira de Mello em um atentado a bomba no Iraque, em 2003, completou dez anos hoje (19). Ele era representante do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Iraque, que havia sido recém-invadido pelos Estados Unidos. Além de Vieira de Mello, 21 funcionários do escritório da ONU em Bagdá morreram no atentado.

Um evento para homenagear o brasileiro está sendo realizado no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, com a presença de diplomatas brasileiros e representantes da ONU. Durante o evento, o Ministério das Relações Exteriores entregou as primeiras medalhas Sérgio Vieira de Mello a pessoas que se destacaram em trabalhos de causa humanitária.

Apesar da homenagem, a viúva de Mello, Carolina Larriera, escreveu hoje um artigo no jornal O Globo criticando as Nações Unidas por não ter investigado a morte do diplomata com rigor e por ter relaxado na segurança de seu escritório em Bagdá. No artigo, ela disse que o Brasil pode contribuir para dar mais transparência ao caso.

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse que Carolina tem o direito de exigir respostas para a morte de Mello. "Precisarei talvez conversar com ela para saber exatamente o que ela espera da gente. Mas acho legítimo que ela apresente seus questionamentos", disse Patriota, no evento que homenageou o diplomata brasileiro.

O porta-voz da ONU no Brasil, Giancarlo Summa, reconheceu que houve erros na segurança do escritório, mas lembrou que a ideia da ONU de mediar o conflito no Iraque, após a invasão norte-americana era controversa.

"O Sérgio apostou na possibilidade de juntar todas as partes em volta de uma mesa para encontrar acordos, como ele tinha feito em outras situações. Ele achava que fosse possível. Mas havia fortes interesses de alguns grupos para que isso não ocorresse", disse.

Edição: Denise Griesinger

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email